01/07/2015 16h11 - Atualizado em 1/07/2015 16h11

Deputado ficava com metade do salário de testemunha da Lava Jato

Ex-secretária de Pedro Corrêa afirmou à Justiça que os depósitos ocorreram entre 2006 e 2010.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Vera Lúcia Leite Souza Shiba, ex-secretária particular da liderança do PP na Câmara, afirmou à Justiça Federal que depositava metade do seu salário para o então deputado Pedro Corrêa, entre 2006 e 2010 – quando ele foi o líder do partido na Casa.

Vera Lúcia ganhava ‘entre R$ 7 mil e R$ 8 mil’ mensais. Corrêa foi preso duas vezes: uma no Mensalão e outra na Operação Lava Jato.

“Quando entrei (na Câmara) em 2006, cargo em comissão, o deputado Pedro Corrêa fez um acordo comigo. Ele me propôs esse acordo, eu dava metade (do holerite) para ele. Essa metade era depositada para o Ivan Vernon.”

Vernon trabalhou no gabinete de Corrêa. Era homem de confiança do parlamentar. Ele também é alvo da Lava Jato. Vera Lúcia depôs na semana passada como testemunha na ação penal em que Corrêa é acusado de corrupção passiva e propinas no esquema Lava Jato. Ele está preso em Curitiba (PR), base da Lava Jato.

Um procurador da República que compareceu à audiência na Justiça Federal no Paraná indagou. “Esse ajuste foi direto com o sr. Pedro Corrêa?”. “Isso, isso”, ela respondeu.

O procurador pediu a Vera Lúcia que detalhasse. “Como funcionava? A sra. recebia salário em conta bancária? Como procedia?”

Ela disse. “Meu salário vinha na conta bancária. Eu transferia para a conta do Ivan, direto da minha conta prá conta do Ivan.”

“A sra. fez entrega em dinheiro também?”

“Não, acho que não.”

“Foi Pedro Corrêa quem pediu para transferir (o dinheiro para a conta dele)?”, insistiu o procurador.

Vera Lúcia. “Quando eu estava desempregada eu pedi. Ele (Corrêa) disse: ‘então vamos fazer esse acordo, você vai prá presidência do partido’. No final de 2010, o deputado perdeu os cargos (foi cassado). Aí eu fiquei um ano quase em casa. Não trabalhei.”

Nessa ocasião, já em 2012, segundo o relato de Vera Lúcia, a então deputada Aline Corrêa (PP/PE), filha de Pedro, a convidou para trabalhar com ela. “Fui pro gabinete (de Aline) até 2015. Aí sim fui secretária parlamentar.”

No gabinete de Aline o contracheque de Verá Lúcia saltou para ‘R$ 10, R$ 11 mil’ – aí, segundo ela, já não repassava parte dos vencimentos para Pedro Corrêa.

Ela explicou qual era sua função. “Eu pagava as contas dela (Aline), tinha procuração, ia no banco. Passei a ser uma secretária dela, eu tinha acesso às duas contas dela no Banco do Brasil.

Eu pagava as contas. Eu ficava no gabinete, atendia telefone, cuidava da agenda dela, cuidada da mala direta.”

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505