21/08/2015 08h50 - Atualizado em 21/08/2015 09h42

Ex-vereador do PT liga advogado de Gleisi a propina paga a Gushiken

O advogado teria recebido 9% da propina.
Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

O ex-vereador do PT Alexandre Romano, conhecido como Chambinho, afirmou à Polícia Federal que foi Luis Gushiken (morto em 2013), ex-ministro de Comunicação do governo Lula, quem indicou o advogado Guilherme Gonçalves, próximo da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), para o recebimento de 9% da propina destinada a ele da empresa Consist Software, no contrato de empréstimos consignados do Ministério do Planejamento.

“Inicialmente os honorários acordados com a Consist foram de 25,8%”, contou Romano, em depoimento prestado na sexta-feira à delegada de Polícia Federal Renata da Silva Rodrigues. O porcentual teria sido aumentado para 32%. “Posteriormente, a pedido de Gushiken, foram destinados aproximadamente 9% para o escritório Guilherme Gonçalves”, revelou Romano, em colaboração espontânea prestada na oitiva. O ex-ministro do governo Lula, segundo Romano, ainda indicou uma segunda empresa ligada a “eles” (o Partido dos Trabalhadores) como beneficiária dos honorários.

Guilherme Gonçalves teria recebido mais de 6 milhões de reais em propina da empresa Consist Software, que desde 2010 prestava serviços indiretamente para o Ministério do Planejamento. O advogado é filiado ao PT e próximo da senadora Gleisi Hoffmann e de seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo (Planejamento e Comunicação). O escritório de advocacia de Gonçalves foi, segundo a força-tarefa da Lava Jato, uma das seis pessoas jurídicas utilizadas como canais para o pagamento de propinas por Romano, ex-vereador de Americana (SP) pelo PT e preso no dia 13 de agosto. O juiz federal Sérgio Moro converteu, no dia 18, a sua custódia em prisão preventiva.

Esquema alvo
Romano foi o único detido na 18ª fase da Lava Jato, a Pixuleco II. Segundo as investigações, ele é suspeito de intermediar um contrato obtido pela Consist em 2010, envolvendo o Ministério do Planejamento para fornecimento de um software de gestão para cálculo de crédito consignado a mais de dois milhões de servidores públicos federais. Esste contrato, segundo a Lava Jato, gerou a cobrança de ao menos 50 milhões de reais em propinas nos últimos cinco anos.

O escritório de Gonçalves atuou em campanhas de Gleisi e prestou serviços para Paulo Bernardo. A senadora é alvo de investigação da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República. Em delações premiadas, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef afirmaram que Gleisi recebeu 1 milhão de reais do esquema de corrupção na estatal durante a campanha de 2010.

Em nota, Gleisi Hoffmann esclarece “que conhece Guilherme Gonçalves, como militante do Partido dos Trabalhadores e depois como advogado das coligações partidárias nas três campanhas eleitorais em que disputou eleições majoritárias: 2008, 2010 e 2014”.

A senadora também afirma que em “sua prestação de contas dos processos eleitorais está registrado o serviço realizado e o pagamento respectivo, assim como de outros profissionais”. A nota também destaca que “o escritório de Guilherme Gonçalves é conceituado e referência em direito eleitoral no Estado do Paraná, atendendo a vários partidos e candidatos” e que a senadora “desconhece as relações comerciais e contratuais do advogado”.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505