08/08/2015 09h10 - Atualizado em 8/08/2015 02h47

“Não vou polemizar”, diz Janot após ser xingado pelo senador Fernando Collor

Durante pronunciamento, Collor chamou Janot de “filho da !%*&+#!”
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, não quis falar sobre as acusações e xingamentos que recebeu do senador Fernando Collor (PTB-AL), nesta semana.

“Não vou polemizar com pessoas que estou investigando. O que eu posso dizer é que há algum tempo que não advogo, mas continuo inscrito na OAB. E também não vou comentar nem sobre esse fato e nem contra a honra da minha mãe”, falou.

Ele também defendeu a delação premiada nas investigações de corrupção.

“Não gosto da carga do nome delator, então prefiro chamar de colaborador. Ele não é um caguete, um X9, que fala mal do outro e sai bem na história. Ele também é condenado. A colaboração premiada não serve de prova, mas te dá todas as circunstâncias para o caminho da prova”, declarou.

Segundo ele, a colaboração premiada não é totalitária e não pode ser banalizada.

“Vamos insistir nesse instrumento que é poderoso, republicano, democrático, espontâneo e deu certo em países como Inglaterra, França, Estados Unidos, Portugal. Com ele, diminuímos as tentativas e os erros”, ressaltou.

O procurador disse que hoje o acordo para quem faz colaboração premiada é pena, em termos de regime de cumprimento. “Antes fazíamos acordo de redução de pena”, explicou.

Janot também se declarou contra a redução da maioridade penal. “Acho contrassenso. Estamos na contramão da história, porque não será feito nada em segurança pública, devido à solução que vai estar dada”, disse.

Sobre a Operação Lava Jato, o procurador apenas comentou que até o momento há R$ 6 bilhões repatriados e/ou bloqueados em instituições financeiras. “Na Operação Lava Jato, a Petrobras não é autora de crime. Ela é vítima da ação dessas pessoas”, ressaltou.

Ele ainda comentou que a atividade do Ministério Público não tem nada a ver com política, nem partido, “nem panelaço”.

“Fazemos investigação técnica. Não fazemos investigação escolhendo acusados. As instituições brasileiras estão maduras e agem e reagem de forma profissional. Elas estão fortalecidas e aí fortalece também a República”, falou, descartando a tese de que haja golpe com as investigações das operações contra a corrupção.

Janot se mostrou otimista com o Brasil. “Olha o tanto que a gente evoluiu. Não dá, por uma circunstância de momento, achar que é o fim do mundo. São nesses momentos que a sociedade tem que se reafirmar. E a prova está nas outras graves crises que a gente superou. Eu não saio daqui (do Brasil) por dinheiro nenhum”, falou.

Entretanto, ele criticou o sistema prisional brasileiro. “Confesso que é minha frustração como meta na Procuradoria. É vergonhosa a situação do sistema prisional. Temos algumas prisões que não fazem inveja a uma enxovia medieval”, disse.

Janot fez as declarações na aula magna de nesta sexta-feira, 07, à noite, para cerca de 400 pessoas que marcou o início do segundo semestre da Escola Superior Dom Helder Câmara.

O procurador chegou ontem à noite a Belo Horizonte e, segundo sua assessoria de imprensa, veio à capital especialmente para o evento – que estava marcado “há tempos” – e não recebeu gratificação por sua presença.

Evitou falar com a imprensa no evento. Embora sua assessoria de imprensa não confirme, fontes dizem que ele ficará o final de semana na capital mineira retornando a Brasília ou domingo à noite ou segunda-feira de manhã. Belorizontino, tem sua família moradora na capital.

Fonte: Exame.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505