04/08/2015 08h45 - Atualizado em 4/08/2015 08h45

Operador de Dirceu recebeu R$ 5,3 mi de propina

Lobista Fernando Moura atuava na Diretoria de Serviços da Petrobras e como ‘representante’ do ex-ministro
Foto: Dida Sampaio (Estadão Conteúdo)
Foto: Dida Sampaio (Estadão Conteúdo)

A mais nova etapa da Operação Lava Jato, deflagrada na segunda-feira, trouxe à tona um novo operador de propinas que atuava como “representante” do ex-ministro José Dirceu no âmbito da Diretoria de Serviços da Petrobras, cota do PT no esquema, chamado Fernando Moura. A força-tarefa chegou ao nome de Moura a partir da delação do lobista Milton Pascowitch, que atuava para a Engevix e utilizava sua empresa Jamp Engenheiros para lavagem de dinheiro de propina.

Em seu depoimento, Pascowitch relatou ter conhecido Moura depois de a Engevix ter vencido uma licitação da Petrobras para a expansão do terminal do gasoduto de Cacimbas 2, em 2004, no valor de 1,3 bilhão de reais. “Após a assinatura desse contrato, o declarante foi chamado por Fernando Moura, o qual disse que o contrato foi firmado pelo então diretor de Serviços Renato Duque em razão do grupo político que ele representava e que deveria ser paga uma comissão aos mesmos pela obra”, disse o delator em seu depoimento.

Pascowitch aponta que a porcentagem de propina para Moura, no valor de 5,3 milhões de reais, foi repassada por um contrato de consultoria da Engevix com a Jamp e, posteriormente, em doações efetuadas por seu irmão José Adolfo Pascowitch para familiares de Moura. Em outra ocasião, durante uma conversa entre Renato Duque e Moura na casa de Pascowitch, Moura acusou Duque de não repassar a “cota” das propinas para ele e ainda afirmou que o ex-diretor e outro operador que atuava para a diretoria, o lobista Júlio Camargo, estariam retendo as comissões.

Foi Moura, a pedido de Dirceu, quem indicou Duque para diretoria da Petrobras, logo após a posse de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003. Por causa disso, a prisão de Moura na segunda-feira trouxe ainda mais preocupação aos petistas. Desde então, a relação entre Moura e Dirceu se estreitou e, segundo quem os conhece, eles se tornaram amigos. O lobista preso na segunda-feira também mantinha vínculos com o esquema do PMDB na estatal, por causa de suas relações com Fernando “Baiano” Soares, Júlio Camargo e Augusto de Mendonça.

Olavo de Moura, irmão de Fernando, foi preso temporariamente na segunda-feira. A Justiça bloqueou 22 milhões de reais da família.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505