15/09/2015 10h17 - Atualizado em 15/09/2015 10h17

Dilma apela a líderes no Congresso para aprovar pacote fiscal

A presidente recebe hoje, em duas reuniões, líderes de sua base aliada.
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

A presidente Dilma Rousseff recebe nesta terça-feira em duas reuniões no Palácio do Planalto líderes de sua base aliada no Congresso Nacional, um dia depois de o governo apresentar medidas de corte de 26 bilhões de reais em despesas e também um plano tributário de aumento de receitas, que inclui uma nova contribuição sobre movimentações financeiras. Dilma tenta se reaproximar dos parlamentares para articular a aprovação de parte substancial do pacote, que tem de tramitar no Congresso. Entre as medidas anunciadas, há a suspensão do reajuste de servidores e de concursos, além de redução dos repasses ao Minha Casa Minha Vida e ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

A partir das 9h, a presidente tem audiência com os líderes das bancadas na Câmara dos Deputados. Às 14h30, Dilma receberá os senadores, em um esforço para explicar e convencer os parlamentares da efetividade das medidas.

Nesta segunda, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que é “muito pouco provável” que o governo consiga, por exemplo, aprovar a nova CPMF – um dos pilares do ajuste fiscal anunciado. A recriação da CPMF depende de aprovação de uma proposta de emenda à Constituição (PEC), que exige tramitação em duas comissões, votação em dois turnos e ainda um quórum mais elevado – três quintos dos votos, sendo 308 na Câmara e 49 no Senado.

Cunha também mostrou que não foi bem recebido na Câmara o adiamento do corte na máquina estatal, que será anunciado até o fim do mês, e deve gerar uma economia de 200 milhões de reais. O PMDB cobrava da presidente a redução do número de ministérios e de cargos comissionados antes da proposição de novos tributos. Para o presidente da Câmara, “o governo está fazendo ajuste na conta dos outros”. “É um pseudocorte de despesas”, afirmou Cunha.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), reagiu de maneira mais amena ao corte: “É sempre melhor fazer alguma coisa do que não fazer nada”. Ele indicou, porém, que o Congresso pretende alterar as propostas anunciadas pelo Executivo. “O Congresso tende a melhorar todas as medidas que por aqui tramitam. Tudo que passa pelo Congresso sai melhorado”, disse.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505