24/09/2015 13h28 - Atualizado em 24/09/2015 14h00

Dólar cai para R$ 4,09 após declarações de Tombini

Às 13:48, o dólar recuava 1,32 por cento, a 4,0912 reais na venda.
Foto: Bay Ismoyo/AFP
Foto: Bay Ismoyo/AFP

O dólar tinha uma sessão de extrema volatilidade nesta quinta-feira e, no início da tarde desta quinta-feira, recuava mais de 1 por cento sobre real, com investidores especulando sobre a possibilidade de o Banco Central realizar leilão de dólares no mercado à vista diante de declarações do presidente do BC, Alexandre Tombini.

Às 13:48, o dólar recuava 1,32 por cento, a 4,0912 reais na venda. Na máxima da sessão, chegou a saltar para 4,2491 reais e, na mínima, foi a 4,0577 reais, reagindo também a rumores de que o BC teria conduzindo mais cedo pesquisa de demanda por dólares no mercado à vista.

Mas, segundo operadores, isso não havia se confirmado. Procurado, por meio de sua assessoria de imprensa, o BC não comentou o assunto.

“O mercado tentou como sempre peitar o BC, tanto que logo depois da fala (do Tombini) o dólar explodiu…, depois derreteu”, afirmou o operador corretora nacional, que pediu anonimato, lembrando que o presidente do BC também deixou claro que a taxa básica de juros será mantida no atual patamar de 14,25 por cento por tempo “suficientemente prolongado”.

Questionado sobre o possível uso das reservas internacionais no câmbio, Tombini afirmou que “certamente todos os instrumentos estão à disposição do BC”. A declaração trouxe algumas expectativas de que poderia realizar leilão de dólares no mercado à vista.

Uma fonte da equipe econômica afirmou à Reuters na véspera que fazer leilões de dólares no mercado à vista é uma estratégia que não está na mesa neste momento.

Na véspera, o BC realizou dois leilões de venda de dólares com compromisso de recompra e um leilão de novos swaps cambiais, equivalentes a venda futura de dólares. Também durante a sessão passada, anunciou para esta quinta-feira outro leilão de novos swaps, na qual vendeu a oferta total de até 20 mil contratos.

Além disso, o BC vendeu a oferta total de até 9,45 mil swaps cambiais para rolagem dos contratos que vencem em outubro. Ao todo, já rolou o equivalente a 7,621 bilhões de dólares, ou cerca de 80 por cento do lote total, que corresponde a 9,458 bilhões de dólares.

A moeda norte-americana tem sido pressionada pela deterioração das contas públicas do Brasil e pelas turbulências políticas. Investidores temem que o país perca seu selo de bom pagador por outras agências de classificação de risco além da Standard & Poor’s.

Operadores relutavam em estimar até que ponto o dólar deve subir, mas é unânime a percepção de que a moeda deve continuar pressionada. O dólar subiu nas cinco sessões anteriores, acumulando alta de 8,14 por cento.

“O mercado está apostando em uma saída de capitais e em mais rebaixamento”, disse o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

Também ajudava nesta sessão a melhora no mercado externo, com outras moedas emergentes também passando a cair, como os pesos chileno e mexicano.

Fonte: Exame.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505