10/10/2015 08h30 - Atualizado em 10/10/2015 08h30

Dilma tem pressa para entregar cargos do segundo e terceiro escalões à base aliada

As negociações serão conduzidas pelo ministro Jaques Wagner.
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Em esforço para evitar a abertura de um processo de impeachment, a presidente Dilma Rousseff determinou aos ministros responsáveis pela articulação política que entreguem cargos no segundo e terceiro escalões aos partidos aliados, ainda que isso implique em mais sacrifício ao PT, que já perdeu espaço nos ministérios. As negociações serão conduzidas pelo ministro Jaques Wagner, novo titular da Casa Civil.

O governo tem pressa para sinalizar aos aliados que todos os compromissos assumidos durante a negociação da reforma ministerial serão cumpridos. “O PT vai ter de entender o momento grave e a necessidade de governar em parceria, repartindo espaço com os demais partidos da base aliada”, diz um dos interlocutores da presidente. Segundo ele, Dilma avisou que todos os ministros têm de reservar horários em suas agendas para atender os parlamentares.

O PDT, por exemplo, que assumiu o Ministério das Comunicações, já avisou que vai trocar o presidente dos Correios, Wagner Pinheiro de Oliveira, com aval do Planalto. O mesmo se repetirá no Ministério da Saúde, que saiu das mãos do petista Arthur Chioro e foi para as do peemedebista Marcelo Castro. “Na Saúde, nem a secretária executiva do ministro Chioro atendia os parlamentes, fosse recomendado por quem fosse”, lembrou um interlocutor do Planalto. Apesar da resistência do PT, o PMDB já colocou seus “tanques” nos corredores para abrir passagem e vários secretários já estão desocupando suas salas.

A promessa é que muitos outros entraves sejam solucionados. O PTB, por exemplo, reclama que não conseguiu ocupar os cargos prometidos no Incra e da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Aguardam ainda a liberação da Superintendência de Seguros Privados (Susep), da Casa da Moeda e do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB). O PRB, partido que ocupa o Ministério dos Esportes, com George Hilton, ameaça se rebelar se o PC do B não abrir espaço nos segundo e terceiros escalões para que o seu partido ocupe o espaço.

Da mesma forma, o PP se queixa de que não conseguiu assumir ainda o Ministério da Integração. E o PSD, por sua vez, reclama que as Cidades não foram entregues a eles, de fato, apesar de Gilberto Kassab estar no posto desde janeiro. Até nomeações para as quais havia acordo político, como do Banco da Amazônia (Basa) e Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), estão paradas, assim como algumas vice-presidências da Caixa Econômica Federal.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505