19/11/2015 10h03 - Atualizado em 4/12/2015 15h24

Collor pagou carros de luxo com dinheiro de propina, diz PF

Em agosto, Collor foi um dos primeiros políticos com mandato denunciados.
Foto: VEJA
Foto: VEJA

Laudo da Polícia Federal anexado ao processo contra o senador Fernando Collor (PTB-AL) no Supremo Tribunal Federal aponta os indícios de que os carros de luxo apreendidos na casa do parlamentar em operação da PF foram comprados parcialmente com dinheiro de propina. As informações são do jornal Folha de S. Paulo. Em agosto, Collor foi um dos primeiros políticos com mandato denunciados pela Procuradoria-Geral da República ao STF por envolvimento no petrolão. Ele é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro.

Collor também é alvo de outros dois inquéritos no âmbito da Lava Jato, o mais recente foi aberto na semana passada. Nesta quarta-feira a PGR enviou mais dois pedidos de abertura de inquérito no âmbito da Lava Jato contra o senador. O conteúdo dos documentos encaminhados à Corte é mantido sob sigilo e será encaminhados ao ministro Teori Zavascki, relator dos processos sobre o esquema de corrupção na Petrobras.

Pelo sistema do STF, até o momento, só é possível saber que os dois novos casos são apurações sobre corrupção passiva. Os novos inquéritos têm como base duas petições mantidas ocultas no Supremo – procedimento que costuma ser usado para abrigar delações premiadas ainda em segredo.

A denúncia feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Collor aponta para um esquema de uso de carros de luxo para lavagem de dinheiro. Segundo reportagem da Folha, a PF quebrou o sigilo de 110.000 operações bancárias em onze contas do parlamentar, de sua mulher e de empresas dele. Agentes identificaram depósitos em dinheiro vivo fracionados para o senador – os valores eram geralmente baixos, para não levantar suspeitas. A ação, de acordo com a PF, é indicativo de lavagem de dinheiro.

Foram identificados 469 depósitos de 2.000 reais, num total de 938.000 reais. Todos eles foram feitos da mesma agência do banco Itaú em Brasília. Justamente a que aparece nos comprovantes apreendidos com o doleiro Alberto Youssef, pivô do esquema de corrupção desvendado pela Lava Jato. “Os pagamentos dos veículos podem ser inequivocadamente associados aos depósitos em espécie”, diz o documento, de acordo com o jornal.

Os veículos que teriam sido pagos com dinheiro sujo são uma Lamborghini Aventador, uma Ferrari 458, um Bentley Flying e um jipe Range Rover. A coleção custou 6,2 milhões de reais. A Polícia Federal chegou a apreender cinco carros de luxo de Collor durante uma das fases da Lava Jato. No mês passado, no entanto, o ministro Teori Zavascki atendeu a um pedido feito pela defesa do senador, que alegou que os veículos demandam cuidados especiais, e devolveu quatro carros à guarda do senador.

Em acordo de delação premiada, o doleiro Alberto Youssef apontou o senador alagoano como beneficiário de propina em uma operação da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras. A distribuição do dinheiro sujo contava com a participação do ex-ministro de Collor, Pedro Paulo Leoni Ramos, dono da GPI Investimentos e amigo de longa data do senador. Na triangulação do suborno, foi fechado um contrato com uma rede de postos de combustível de São Paulo e que previa a troca de bandeira da rede, para que o grupo se tornasse um revendedor da BR Distribuidora. O negócio totalizou 300 milhões de reais, e a cota de propina, equivalente a 1% do contrato, foi repassada a Leoni Ramos, que encaminhava finalmente a Collor. Na explosiva delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, Fernando Collor também foi citado como o destinatário de 20 milhões de reais em propina, pagos pela construtora entre 2010 e 2012, para que o senador defendesse interesses da companhia com a BR Distribuidora.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505