03/11/2015 14h19 - Atualizado em 3/11/2015 14h22

Conselho de Ética inicia processo contra Eduardo Cunha

Foto: José Cruz/Agência Brasil
Foto: José Cruz/Agência Brasil

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados iniciou nesta terça-feira o processo por quebra de decoro contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que pode resultar em última instância na perda de mandato do parlamentar.

O pedido de abertura do processo, apresentado pelo PSOL e Rede, com apoio de parlamentares de outros partidos, muitos deles do PT, baseia-se na confirmação, pela Procuradoria-Geral da República (PGR), de que o deputado possui contas bancárias na Suíça em seu nome e de familiares, após ele ter negado essa informação em CPI na Câmara.

Nesta terça, foram sorteados três deputados – Zé Geraldo (PT-PA), Vinícius Gurgel (PR-AP) e Fausto Pinato (PRB-SP) – dentre os quais será escolhido o relator do processo.

O presidente do conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA), pretende conversar com os três antes de anunciar quem assumirá a relatoria, o que pode ocorrer na quarta-feira.

Pelas regras do regimento da Câmara, o relator não pode ser nem do mesmo Estado nem do mesmo partido de Cunha. Há inclusive a interpretação de que o relator não pode integrar o mesmo bloco partidário que o presidente da Casa.

Segundo a assessoria técnica do conselho, foi adotada a nova conformação de blocos partidários para o sorteio desses parlamentares. Em outubro, parlamentares do PHS, PSC, PP e PTB saíram do bloco que compunham com o PMDB.

Dessa forma, apenas integrantes do bloco do PMDB-PEN e os deputados do Rio de Janeiro ficaram impedidos de relatar o caso de Cunha, aumentando o universo de parlamentares potencialmente favoráveis ao presidente que participaram do sorteio.

Segundo o presidente do conselho, o relator escolhido terá 10 dias para elaborar um parecer preliminar. Aprovado esse parecer, Cunha será notificado e terá 10 dias para apresentar sua defesa.

Já o relator, terá 40 dias para instaurar a fase probatória, de coleta de provas, depoimentos e argumentos para o relatório. Após esse prazo, terá ainda 10 dias para elaborar o parecer final. Ao todo, o conselho tem até 90 dias para votar o parecer final e encaminhá-lo ao plenário da Câmara, o que empurraria o processo para o ano que vem.

Além da representação no Conselho de Ética, Cunha é alvo de uma denúncia e de um inquérito autorizados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e de outra representação, endereçada à Corregedoria da Casa.

O presidente da Câmara afirmou reiteradas vezes que não possui contas além das que constam na sua Declaração de Imposto de Renda.

Fonte: Exame.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505