11/11/2015 10h59 - Atualizado em 5/05/2016 03h30

Plano de Mobilidade Urbana deve chegar à CMM até o fim de semana, garante líder do prefeito

Ele afirmou que todos os estudos do Plano apontam a faixa azul como solução para o tráfego.
Foto: Robervaldo Rocha/CMM
Foto: Robervaldo Rocha/CMM

O Projeto de Lei do Executivo Municipal que trata do Plano de Mobilidade Urbana de Manaus deve chegar para discussão no Poder Legislativo Municipal até o fim desta semana. Foi o que garantiu, na manhã desta terça-feira, 10, o líder do Governo Municipal na Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereador Elias Emanuel (PSDB). “O estudo está concluído, já foi apresentado ao prefeito e está pronto para vir à Câmara”, disse o vereador.

De acordo com Elias Emanuel, todos os estudos do Plano de Mobilidade Urbana elaborados pela empresa Oficina Engenheiros Consultores Associados, responsável pelos estudos do plano, apontam para a troncalização das linhas, isso quer dizer faixas exclusivas. “Não há solução para o tráfego em cidade alguma do mundo onde não há faixa exclusiva para o transporte coletivo”, assegurou.

O vereador explicou que diz isso porque, quando a Faixa Azul foi implantada na Constantino Nery, a velocidade média dos automóveis era de 13 quilômetros por hora e baixou para 12 quilômetros por hora. Já os ônibus, que era de dez quilômetros por hora, a velocidade média subiu para 18 quilômetros. E as viagens tanto indo do bairro para o Centro ou do Centro para o bairro diminuíram em 20 minutos. “Portanto, quero dizer que a Faixa Azul para os que têm o transporte individual e enfrentam engarrafamentos é uma tremenda dor de cabeça, mas para aquele que depende do ônibus, esse tem maior celeridade. Chega mais rápido ao trabalho, como volta mais rápido para casa. O Plano de Mobilidade Urbana vem comprovar isso e é essa discussão que vamos travar nesta Casa”, destacou.

Elias Emanuel disse que não quer advogar brechas para a aprovação do Plano, mas vai advogar a discussão com a sociedade, mesmo tendo feito, a Prefeitura de Manaus, quase dez audiências públicas. “Advogo aqui o mesmo tratamento que foi dado ao Plano Diretor da cidade de Manaus, que o plenário se abra para a discussão. A sociedade tem que vir aqui e dar sua opinião em relação ao Plano. Portanto, a prefeitura não tem problema para discutir a Mobilidade Urbana. A administração teve estudo, pela Oficina Associados, contratada para fazer o estudo técnico para esse Projeto chegar a Casa”, disse.

Ação do MPE
O vereador Elias Emanuel disse, ainda, que respeita a decisão do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), que ajuizou na Justiça, Ação Civil Pública para suspender a utilização exclusiva das faixas azuis em todas as vias públicas de Manaus até que seja elaborado o Plano de Mobilidade Urbana de Manaus.

A decisão do MPAM fez os vereadores petistas Professor Bibiano e Waldemir José elogiarem a iniciativa tomada pelo promotor de Justiça Paulo Stélio Sabba Guimarães diante da constatação de diversas irregularidades relacionadas à implantação de faixas exclusivas para o sistema BRS (Bus Rapid System) e semi-exclusivas para ônibus em várias ruas da cidade.

Como ressaltaram os vereadores, essas irregularidades já vinham sendo denunciadas por eles da tribuna da Casa Legislativa, entre elas, a falta de planejamento e de estudo de engenharia, risco de acidentes e largura abaixo do limite mínimo de 3,4 metros.

Presidente da Comissão de Transporte, Viação e Obras Públicas (Comtvop), o vereador Rosivaldo Cordovil (PTN) assegurou que chegou o momento do Executivo encaminhar o Plano e fazer cumprir o seu papel com as audiências públicas. O Executivo faz sua parte e a Câmara cumprirá com o seu papel. “Vamos recebê-lo para avançar no sentido de aprovarmos um plano que seja adequado para a cidade de Manaus”, argumentou.

Vice-líder do Governo Municipal, Walfram Torres (PTC) também rechaçou as colocações de que a Faixa Azul é responsável pelo aumento do número de mortes no trânsito. Segundo ele, o Portal do Trânsito, estatística em nível nacional, de acordo com o seu último mapa, registra que o Amazonas possui o menor índice de taxa de morte no trânsito por habitante. “A Prefeitura não é irresponsável e nem incompetente. As ações são pensadas e planejadas. A direção do Manaustrans (Instituto Municipal de Engenheria e Fiscalização no Trânsito), à época, chegou a ir ao Ministério das Cidades pedir a ampliação do prazo para a apresentação do Plano de Mobilidade Urbana”, lembrou ele, ao afirmar não ter dúvidas de que está se produzindo o melhor para a cidade de Manaus.

Arlindo Júnior (PROS) assegurou que não via com bons olhos a Faixa Azul, mas ultimamente foi ouvir a população e constatou que ela foi aprovada. “Antes a população sofria com o calor, agora com a redução do tempo de percurso a população sofre menos”, disse o vereador, ao assegurar que hoje, uma viagem da Cidade Nova ao Centro que durava uns 45 minutos é feita em até 20 minutos com a Faixa Azul.

O vereador é autor de uma indicação ao prefeito para que nos finais de semana a Faixa Azul seja liberada, pois nestes dias são pouco usadas. “É assim que é feito em muitas partes do Brasil”, assegurou.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505