09/12/2015 10h55 - Atualizado em 9/12/2015 11h39

Carta de Temer ajudou na derrota do governo na Câmara

O clima de rebelião na Câmara dos Deputados piorou com o vazamento da carta.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O governo atribuiu a derrota no primeiro teste do impeachment à atuação do vice-presidente Michel Temer, que comanda o PMDB. Na avaliação do Palácio do Planalto, o clima de rebelião na Câmara dos Deputados piorou com o vazamento da carta escrita por Temer à presidente Dilma Rousseff. A presidente e o vice devem conversar na noite desta quarta-feira, mas assessores dos dois lados afirmam que a oficialização do “divórcio” é apenas uma questão de tempo.

Nos bastidores, ministros culparam Temer pelo agravamento da crise política e disseram que o gesto dele funcionou como um gatilho para que alas do PMDB e de outros partidos da base aliada se rebelassem contra Dilma. Menos de 24 horas após a divulgação da carta, o Planalto sofreu um revés na Câmara, quando o plenário aprovou uma chapa majoritariamente contrária a Dilma para a comissão especial que analisará o impeachment. À noite, porém, uma liminar do Supremo Tribunal Federal suspendeu essa decisão.

“Eu não estou rompendo com o governo, mesmo porque sou o vice-presidente. Fiz apenas um desabafo, que já deveria ter feito há muito tempo”, afirmou Temer a amigos com quem se reuniu ontem, no Palácio do Jaburu. “Fiquei indignado com o vazamento de uma carta que era dirigida à presidente e a mais ninguém.” Na correspondência, Temer se queixou de “menosprezo” e afirmou ter passado os quatro primeiros anos de governo como “vice decorativo”.

Após se dizer “perplexa”, Dilma enviou dois emissários para conversar com Temer e saber o que poderia ser feito para recompor o relacionamento institucional. O primeiro foi o ministro-chefe da Advocacia-Geral da União, Luís Inácio Adams, recebido pelo vice após a meia-noite de segunda-feira. Depois foi a vez do ministro da Casa Civil, Jaques Wagner.

No diagnóstico do Planalto, o vice não apenas não vai mover uma palha para ajudar Dilma a enfrentar o impeachment como deixou claro que pretende se juntar ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao dizer que o pedido para o afastamento dela tem “lastro jurídico”. “Quem apertou o botão do impeachment foi o PT, e não o Temer”, reagiu Cunha. Depois de muitas idas e vindas, os três deputados do partido no Conselho de Ética decidiram votar contra o presidente da Câmara, acusado de manter contas secretas na Suíça com dinheiro desviado da Petrobras. Cunha nega as acusações e aponta “perseguição” do Planalto.

Latim
O tom duro da carta de Temer provocou tanta tensão no governo que, ao longo do dia, auxiliares da presidente e do vice se acusaram mutuamente pelo vazamento. “Jamais eu ou o PMDB fomos chamados para discutir formulações econômicas ou políticas do país; éramos meros acessórios, secundários, subsidiários”, escreveu Temer. Ele iniciou a carta com uma expressão em latim (“Verba volant, scripta manent”), que significa “a palavra voa, o escrito permanece”.

A ordem no Planalto foi não reagir, mas o governo passou o dia medindo a temperatura da nova crise, com o monitoramento das redes sociais. A conclusão foi a de que tanto Dilma quanto Temer saíram perdendo com o episódio.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505