10/12/2015 10h10 - Atualizado em 10/12/2015 10h10

Prefeitura monta ‘quartel general’ para combater o zika vírus em Manaus

A Prefeitura montará junto com o Governo do Estado operações conjuntas de combate.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Todos os esforços da Prefeitura de Manaus estão concentrados para evitar que a infecção pelo zika vírus chegue às grávidas da cidade, o que poderia causar a microcefalia nos bebês durante a gestação. O secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão Neto, anunciou na quarta-feira (9), que além do decreto do estado de emergência no último dia 4, a prefeitura irá montar em parceria com o Governo do Estado um “quartel general” no Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde (Ciocs), no bairro Nossa Senhora das Graças, para o monitoramento dos dados epidemiológicos de casos notificados e confirmados e início imediato de medidas emergenciais, como o bloqueio químico e mecânico para evitar que o Aedes aegypti transmita o vírus a outras pessoas.

Até esta quarta-feira, Manaus contabilizava 16 casos notificados do zika vírus que ainda estão à espera dos resultados dos exames laboratoriais, mas apenas um foi confirmado até agora. Dos notificados, duas são grávidas, que estão na fase final da gestação, sem confirmação da doença. “Estamos numa guerra sem trégua contra o mosquito Aedes, determinada pelo prefeito Arthur Neto para proteger nossas grávidas. Não temos casos de microcefalia em bebês durante a gestação, mas a população tem que continuar sendo a nossa grande parceira, evitando focos do mosquito dentro de casa. Temos a Campanha 10 Minutos contra a Dengue”, lembra, destacando que basta uma vez por semana, durante 10 minutos, para que a pessoa faça um check-list em todos os locais que possam acumular água, para acabar com o Aedes.

Segundo o último levantamento do Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (Liraa), divulgado no dia 1º de dezembro, Manaus apresenta médio risco para transmissão do zika vírus e também dengue e febre chikungunya.

A orientação, segundo o secretário, é para que a população, caso tenha sintomas de febre, procure as unidades de saúde do município, principalmente se tiver viajado para o Nordeste ou se tratando de pessoas que vieram para a cidade de regiões que registram grande quantidade do mosquito.

O Ministério da Saúde declarou estado de emergência em saúde pública no país por causa do aumento de casos de microcefalia no Nordeste. O anúncio tem relação com o crescimento drástico no número de ocorrências do problema nessa região, especialmente em Pernambuco.

“Em 90% dos casos, a microcefalia vem associada a um atraso no desenvolvimento neurológico, psíquico ou motor. O tipo e o nível de gravidade da sequela variam caso a caso, e em alguns casos a inteligência da criança não é afetada. Déficit cognitivo, visual ou auditivo e epilepsia são alguns problemas que podem aparecer nas crianças com microcefalia”, ressaltou Homero.

Desde agosto, a prefeitura intensificou as ações para controle e eliminação do Aedes aegypti, visando reduzir o risco para transmissão. Dezessete bairros da capital, com índice de infestação acima de 4%, identificados no LIRAa anterior, vêm sendo alvo de ações específicas, que incluem visitas casa a casa, mutirões de limpeza e implantação da estratégia “10 minutos contra a dengue”.

Para aumentar o controle do zika vírus foram estabelecidas quatro unidades sentinelas: o Hospital 28 de Agosto, a Fundação de Medicina Tropical, o Pronto-Socorro da Criança Zona Oeste e o Hospital Adventista.

Os sintomas do Zika vírus incluem febre, dor nas articulações e músculos, além de conjuntivite e manchas vermelhas na pele. O zika vírus não é contagioso, e por isso não passa de uma pessoa para outra. A única forma de pegar esta doença é sendo picado pelo mosquito. No entanto, se um mosquito que não tem o zika vírus picar uma pessoa que está com zika, ela é contaminado e começa a passar a doença para outras pessoas através de sua picada.

Os sintomas do Zika vírus são semelhantes aos da dengue, porém, o zika vírus é mais fraco e por isso, os sintomas são mais leves e desaparecem entre 4 e 7 dias, porém é importante ir ao médico para confirmar se realmente está com zika.

Inicialmente, os sintomas podem ser confundidos com uma simples gripe, provocando: Febre, entre 37,8°C e 38,5°C; Dor nas articulações, principalmente das mãos e pés; Dor nos músculos do corpo; Dor de cabeça, que se localiza principalmente atrás dos olhos. “Se estiver grávida ou amamentando fale com o médico e siga todas as suas orientações”, alertou Homero.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505