16/01/2016 18h06 - Atualizado em 16/01/2016 18h06

Ministro acha prudente restrição de viagem de grávidas onde tem vírus Zica

Restrição é uma recomendação do Centro de Controle de Doenças dos EUA
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, considerou que a recomendação do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, para que mulheres americanas grávidas avaliem a ida para países onde há circulação do vírus Zica, entre eles o Brasil, não se trata de uma determinação para que não viagem para esses locais. Na avaliação dele, é uma recomendação para tomar os devidos cuidados, da mesma forma que o ministério vem fazendo no país.

“Acho uma decisão prudente [do CDC dos Estados Unidos]. Aqui no Brasil as pessoas estão se precavendo e nós estamos recomendando todos os cuidados que o CDC está recomendando”, disse, durante a apresentação do kit NAT Discriminatório para Dengue, Zika e Chikungunya, hoje (16), na sede da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro.

Castro esclareceu que não recomendaria a um estrangeiro evitar uma viagem ao Brasil, para não correr risco de contrair a doença, e destacou que de maneira nenhuma é o caso de deixar de vir ao país. “A estrangeira que vier ao Brasil para engravidar, ou já vier grávida, é a mesma situação de qualquer brasileira. [Deve] tomar todas as providências necessárias para não ter contato com o mosquito Aedes aegypti [transmissor da zika, dengue e chikungunya]”, concluiu.

Castro destacou que a vontade de engravidar tem que ter uma decisão responsável e discutida entre a família, e no momento em que o Brasil passa por uma epidemia de microcefalia causada pelo vírus, que chegou ao país em maio de 2015, os cuidados de todas as gestantes terão que ser reforçados. “A gestante deve fazer todas as ações necessárias para que não seja picada pelo mosquito durante a sua gestação”, disse ele.

Entre as recomendações estão vestir calças, roupas de mangas compridas e usar meias e sapatos. “Ou seja, cobrir o máximo as partes do corpo, usando repelente e tomando providências para que não entre em contato com o vírus”, completou.

O ministro lembrou que as crianças que nascem com a doença farão parte de uma geração de pessoas que sempre precisarão de cuidados especiais. “São pessoas que vão sempre precisar de auxílio, de apoio, de outras pessoas, familiares, de fisioterapeutas, de médicos. Então, é realmente uma situação gravíssima, e temos que fazer todo o esforço para evitar o máximo que isso aconteça. A nossa expectativa é de que venceremos a batalha final quanto tivermos uma vacina eficaz”, indicou.

Apesar de reconhecer que existe também no país uma epidemia de chikungunya, ele ressalvou que no momento o grande foco das autoridades de saúde é a zika, por causa da microcefalia. “Estamos preocupados com a dengue? Estamos. Estamos preocupados com a chikungunya? Estamos. Estamos preocupados com a zika? Preocupadíssimos, porque a gravidade é muito maior, mas tanto faz uma como a outra, a maneira de combatê-las é uma só: evitar que o mosquito venha a nascer.”

Castro disse que tem costume de fazer caminhadas pela manhã, em Brasília, e durante o percurso sempre observa se há possibilidade de locais de reprodução do Aedes aegypti. “Eu já estou neurótico. Ando com um radar ligado. Vou vendo o tempo todo, se tiver um copo, uma garrafa, qualquer coisa solta na rua já vou pegando para botar na lixeira. Todos nós temos que ter este sentimento, porque se o mosquito vier a ser criado e sair voando é um terror”, avaliou.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505