12/01/2016 13h37 - Atualizado em 12/01/2016 13h37

Segundo Cerveró, Lula ajudou Collor a conseguir crédito para AL

Ele afirma que Lula intermediou uma reunião de Collor com a BR Distribuidora.
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters
Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Em delação premiada, o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró detalha suposta atuação do senador Fernando Collor (PTB-AL), em reunião marcada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para liberar um crédito bilionário na BR Distribuidora para usinas de álcool de Alagoas.

Apesar de a operação não ter sido liberada pela subsidiária da Petrobras, Cerveró disse no depoimento aos investigadores da Lava Jato que ocorreu uma operação de crédito para usinas realizada pelo Banco do Brasil.

A suposta operação de liberação de crédito teria ocorrido em meados de 2010, segundo Cerveró, portanto durante a gestão do atual presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, à frente do banco.

Na ocasião, teriam sido liberados R$ 50 milhões em crédito para as usinas de João Lyra, segundo o delator. De acordo com a assessoria do Banco do Brasil, o pedido de crédito existiu, mas a operação não foi aprovada.

Collor inicialmente levou Lyra, político e usineiro em Alagoas, a uma reunião na BR Distribuidora para pleitear que a subsidiária da Petrobras comprasse R$ 1 bilhão em álcool das usinas do Estado.

O encontro entre todos os diretores e Collor foi uma sugestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de acordo com Cerveró. A operação sugerida por Lyra e Collor se tratava de uma “compra de safra antecipada”.

Para convencer a diretoria, Collor afirmou que Alagoas havia sofrido com uma “grande enchente” naquele ano e causado muitos danos ao Estado.

O senador disse ter levado Lula para “ver pessoalmente o Estado de Alagoas, tendo Lula ficado chocado”, segundo Cerveró. Ainda segundo o ex-diretor da Petrobras, Collor afirmou que Lyra cedeu imóveis para reconstruir as cidades e apresentou o empresário como um “usineiro altruísta”.

Cerveró afirma na delação que existia uma norma na BR Distribuidora que proibia a compra de safra antecipada e, independentemente disso, “não havia disponibilidade financeira” para o negócio.

“Que o financiamento de usinas de álcool é o pior crédito, que as usinas de álcool estavam praticamente todas em situação de falência”, afirmou Cerveró. Apesar disso, relatou o delator aos investigadores da Lava Jato, “o Banco do Brasil, presidido por Aldemir Bendine”, concedeu crédito de R$ 50 milhões à usina de Lyra.

O atual presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), chegou a chamar Cerveró para que ele explicasse a liberação de dinheiro a Lyra, segundo o ex-diretor. A reunião entre os dois ocorreu no gabinete do senador, quando Calheiros se mostrou “chateado”, nas palavras de Cerveró.

O ex-diretor explicou que o dinheiro não fora liberado pela BR Distribuidora, mas sim pelo Banco do Brasil. Disse, ainda, que Renan teria afirmado: “Ah, agora eu entendi, então é por isso que a campanha do Collor está deslanchando”. Renan teria entendido “que o dinheiro do financiamento havia sido usado na campanha de Fernando Collor em Alagoas”, consta do depoimento de Cerveró.

Em nota, o Banco do Brasil afirmou que não aprovou qualquer operação de crédito para a usina citada em 2010 ou nos anos seguintes. O banco ressaltou que “analisa todas as operações de crédito de acordo com critérios técnicos.

A aprovação cabe sempre a instâncias colegiadas, que consideram as características das operações e os riscos de cada cliente e de seus acionistas”.

O Instituto Lula disse que não comentaria as informações. A defesa de Fernando Collor não foi localizada.

Fonte: Exame.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505