19/02/2016 16h11 - Atualizado em 19/02/2016 17h15

Desemprego cresce 41,5% em um ano, diz IBGE

Mais de 9 milhões de pessoas estão desempregadas. O resultado equivale a 2,67 milhões de pessoas a mais na fila do desemprego.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O país registrou em novembro do ano passado o maior número de desempregados da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), iniciada no primeiro trimestre de 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No trimestre encerrado em novembro do ano passado, a pesquisa contabilizou 9,12 milhões de desocupados, um aumento de 41,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. O resultado equivale a 2,67 milhões de pessoas a mais na fila do desemprego.

Como consequência, a taxa de desemprego se manteve no pior patamar da série no trimestre até novembro de 2015, aos 9%. Embora tenha repetido o resultado do trimestre encerrado em outubro, o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, ressalta que foi a pior taxa da série. “Foi o pior resultado da série porque a expectativa era que fosse muito menor. A taxa de desocupação já devia estar cedendo com a aproximação do fim do ano”, explicou Azeredo.

Num período em que o mercado de trabalho costuma registrar aumento sazonal no número de vagas por causa das contratações de trabalhadores temporários para atender à elevação na demanda do fim do ano, a população ocupada na verdade diminuiu. A queda no total de empregados foi de 0,6% no trimestre até novembro de 2015 em comparação com o mesmo período de 2014, o equivalente a 533.000 postos de trabalhos extintos. A inatividade também encolheu, 0,3% no período, o que significa que 201.000 pessoas que estavam fora da força de trabalho voltaram a pressionar o mercado.

A massa de salários em circulação no país está menor, segundo os dados da Pnad Contínua. O fenômeno é explicado tanto pela redução na renda média do trabalhador quanto pela dispensa de funcionários.

Embora o IBGE considere que a massa de renda real dos trabalhadores tenha ficado estatisticamente estável, o montante encolheu de 172,78 bilhões de reais no trimestre encerrado em novembro de 2014 para 169,89 bilhões de reais no trimestre encerrado em novembro de 2015. Isso equivale a uma redução de 1,7%.

“A massa de rendimentos é menor circulando no mercado em relação ao ano passado”, confirmou Cimar Azeredo. “Tem uma menor massa de salários circulando no mercado, provocada pela queda no rendimento e menos pessoas ocupadas”, afirmou.

A renda média do trabalhador teve redução de 1,3% no trimestre encerrado em novembro de 2015 em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. Já o total de trabalhadores ocupados diminuiu 0,6% no período, o equivalente à extinção de 533.000 vagas.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505