25/02/2016 10h15 - Atualizado em 25/02/2016 10h16

Elias Emanuel responde a oposição e cobra os repasses do governo federal

Os debates iniciaram após vereador Bibiano criticar condições de escolas na Zona Leste.
Foto: Tiago Correa/CMM
Foto: Tiago Correa/CMM

A sessão plenária da quarta-feira (24), da Câmara Municipal de Manaus teve debates acalorados durante o pequeno expediente. O líder do governo, vereador Elias Emanuel (PSDB), subiu à tribuna para responder as acusações do vereador da oposição professor Bibiano (PT) sobre negligência da prefeitura quanto a educação municipal.

Bibiano iniciou seu discurso, criticando as condições do Cemei Raimundo Gonçalves Nogueira e da Escola Municipal Carolina Perolina Raimunda Almeida, no bairro São José I, na zona Leste de Manaus. O líder do governo respondeu às acusações, e informou ao colega de parlamento que as escolas citadas já estão passando por manutenção.

“O professor Bibiano precisa se atualizar, porque as escolas já estão em manutenção, os devidos reparos já estão sendo feitos. Precisamos lembrar que o prédio fica ao lado de uma quadra, que sofre com a ação dos moradores”, informou Elias Emanuel.

Ele disse ainda que apesar dos poucos recursos, a Prefeitura de Manaus tem se esforçado para dar à população uma educação de qualidade, e que ao contrário do governo federal não tem maquiado seus relatórios. “A prefeitura não tem nenhum problema em mostrar a realidade em que vive; ela não maquia. É sim um período de dificuldades mas o prefeito, bem como a secretária Kátia Schweickardt, não tem medido esforços para dar continuidade ao trabalho”, informou.

O vereador governista aproveitou o discurso para cobrar, mais uma vez, o repasse do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e destacar a manchete de um jornal local, que cita o recorde de saques ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), ultrapassando a marca de R$ 1 bilhão.

Elias encerrou pedindo bom senso ao colega da oposição. “Basta ver a manchete do jornal que pela primeira vez teve um saque de R$ 1 bilhão de reais no FGTS; tudo isso porque o índice de demissão está acima do que era o arco histórico da cidade. Até as companhias aéreas estão cancelando os vôos diretos para Manaus, isso porque o nosso distrito tem, hoje, uma economia abaixo dos seus índices históricos. O colega exige explicações sobre o orçamento da Secretaria Municipal de Educação (Semed), mas e o repasse do Fundeb que caiu quase R$ 100 milhões, quem explica? Como manter os prédios se a verba não é repassada? Diante disso, só posso pedir bom senso ao vereador”, encerrou Elias.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505