18/03/2016 13h35 - Atualizado em 18/03/2016 13h40

Comissão do impeachment de Dilma terá reuniões de segunda a sexta

Objetivo é acelerar o processo e concluir os trabalhos em até 30 dias.
Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

O presidente da comissão especial que vai analisar o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, deputado Rogério Rosso (PSD-DF), disse hoje (18) que o colegiado pode concluir os trabalhos em até 30 dias. A meta, afirmou, é fazer reuniões de segunda a sexta-feira. O parlamentar vai passar o fim de semana na Câmara dos Deputados finalizando um cronograma que deve ser votado na reunião marcada para a próxima segunda-feira, dia 21.

“Dada a complexidade do tempo, a necessidade de respeitar a Constituição e ser o mais preciso possível para trazer ao plenário da Câmara um relatório substanciado em fatos, a ideia é fazer o maior número de reuniões”, explicou. A proposta do deputado é aproveitar inclusive as dez sessões plenárias que contam como prazo para a entrega da defesa de Dilma e marcar reuniões para ouvir técnicos, juristas e entidades sobre o processo.

Contagem

Com a atípica sessão ordinária aberta hoje (18) pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi iniciada a contagem do prazo para o Palácio do Planalto se manifestar. Cunha quer agilidade e já anunciou que o plenário volta a se reunir nos três dias úteis da próxima semana, véspera do feriado da Semana Santa. Com esta agenda, faltariam seis sessões.

“Na outra semana [depois dos feriados], se forem sessões de segunda a sexta, serão mais cinco e faltaria mais uma na outra semana”, calculou Rosso. A oposição fechou uma espécie de força-tarefa para se revezar e garantir quórum todos os dias.

Com os argumentos de Dilma em mãos, o relator do processo, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), terá cinco dias para concluir um parecer autorizando ou não a instauração da denúncia. O texto precisa ser aprovado pela maioria simples do colegiado – metade mais um dos deputados – que tem 65 titulares e o mesmo número de suplentes. A decisão final é dada pelo plenário da Câmara e, se aprovado, segue para o Senado decidir se julga a presidente.

Fonte: Agência Brasil

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505