31/03/2016 09h08 - Atualizado em 31/03/2016 09h08

Ipem-AM realiza blitz relâmpago em táxis de Manaus para verificar regularidade dos taxímetros

A blitz foi realizada na tarde da quarta-feira, 30.
Foto: Nathalie Brasil/Secom
Foto: Nathalie Brasil/Secom

O serviço de táxi em Manaus foi alvo de blitz na quarta-feira, 30 de março, para verificar o funcionamento dos taxímetros. A operação do Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas (Ipem-AM) e Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) começou com abordagens em pontos localizados na avenida Mário Ypiranga Monteiro, no bairro Adrianópolis, zona sul da capital. Denúncias recebidas no Ipem-AM indicam adulteração em equipamentos para aumentar o valor das corridas. O caso também foi encaminhado para investigação policial.

Neste primeiro dia de operação, o Ipem-AM não flagrou nenhum permissionário do serviço de táxi rodando com irregularidade no taxímetro. Das abordagens feitas, apenas um condutor foi notificado por inconsistência no número do documento que autoriza a circulação de transporte particular. De acordo com o diretor-presidente do Ipem-AM, Márcio André Brito, a fiscalização aos táxis faz parte do calendário de operações do órgão, mas a intensificação se deve ao crescimento do número de denúncias. Mais de 40 reclamações foram registradas na ouvidoria do órgão este ano, com denúncias apontando possíveis fraudes no taxímetro para inflacionar o valor das corridas.

“O que nós queremos promover é a corrida com a cobrança justa, garantir que o taxista que está totalmente legalizado tenha seu direito respeitado e não tenha que concorrer com profissionais que praticam algum tipo de fraude. Os clientes que utilizam o serviço saem ganhando. Um dos indícios de que o taxímetro pode ter algum problema é se ele tem problemas com o lacre o Inmetro”, enfatizou o diretor do Ipem-AM.

Teste e custos de corrida – Os permissionários dos serviços de táxi foram encaminhados para o teste de quilometragem do taxímetro no posto do Ipem-AM no PAC do bairro Educandos, onde os fiscais do Ipem-AM fizeram uma corrida com os motoristas para verificar se o valor cobrado pelo quilômetro rodado está correto. A bandeira é de R$ 4, valor cobrado do consumidor ao entrar no veículo. Cada quilômetro do trajeto tem um custo para o usuário. Na bandeira 1, o quilômetro custa R$ 2,60. Já na bandeira 2, a tarifa por quilômetro é de R$ 3,65.

Além da correção dos valores, a fiscalização também observou o funcionamento do visor e do lacre do Inmetro. As multas por irregularidades variam de R$ 1,5 mil a R$ 50 mil, segundo o Ipem-AM. Cerca de quatro mil veículos compõem a frota de táxis em Manaus. No Ipem-AM, os taxistas obtêm o certificado anual de regularidade dos taxímetros. A verificação periódica é feita conforme calendário padrão, de acordo com o final da placa. Mas o órgão realiza fiscalizações nas ruas, ao longo do ano, para coibir irregularidades.

O diretor do Ipem-AM, Márcio André Brito, informou que as fiscalizações vão continuar. “Quem for flagrado praticando alguma fraude terá o taxímetro apreendido, o carro será apreendido junto ao SMTU, e a multa pode chegar a R$ 50 mil”.

Denúncia A população pode ajudar denunciando possíveis irregularidades à Ouvidoria do Ipem-AM, por meio do telefone 0800 092 2020. O serviço funciona de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h30.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505