01/03/2016 11h22 - Atualizado em 1/03/2016 11h28

Lava Jato investiga Lula por suspeita de vantagens indevidas durante o mandato

Ele teria recebido vantagens de empreiteiras citadas no escândalo do petrolão.
Foto: Ricardo Moraes/Reuters
Foto: Ricardo Moraes/Reuters

O Ministério Público Federal investiga, em meio aos processos da Operação Lava Jato, se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu “vantagens indevidas”, durante o mandato presidencial, de empreiteiras citadas no escândalo do petrolão. Essa é a primeira vez que os procuradores da força-tarefa que trabalha nas investigações sobre o esquema de corrupção na Petrobras admitem publicamente que o petista é alvo de apuração por fatos ocorridos enquanto ele ainda ocupava o Palácio do Planalto. O staff do ex-presidente, porém, trabalha com a hipótese até de que medidas de investigação, como quebras de sigilo, podem ser decretadas a qualquer momento.

Segundo o procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa do Ministério Público no petrolão, o processo de investigação criminal instaurado contra Lula tem o objetivo de “apurar as supostas vantagens recebidas” pelo petista de construtoras investigadas na Operação Lava Jato. “Os favores recebidos pelo político foram materializados, dentre outros, nos imóveis em Atibaia/SP e no Guarujá/SP”, diz o texto.

No fim de janeiro, a Operação Lava Jato deflagrou a fase batizada de Triplo X e anunciou uma varredura em todos os apartamentos do condomínio Solaris, no Guarujá (SP), onde a enrolada empreiteira OAS, investigada por participar do petrolão, assumiu a construção dos imóveis após um calote da Bancoop, a Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo. A cooperativa deu calote em seus associados enquanto desviava recursos para os cofres do PT, quebrou em 2006 e deixou quase 3 000 famílias sem seus imóveis, enquanto petistas graúdos, como o ex-presidente Lula, receberam seus apartamentos.
Em abril do ano passado, VEJA revelou que, depois de um pedido feito por Lula ao então presidente da OAS, Leo Pinheiro, a empreiteira assumiu a construção de prédios da cooperativa. O favor garantiu a conclusão das obras nos apartamentos de João Vaccari Neto, por exemplo.

Na última semana, conforme antecipou a coluna Radar, o ex-presidente Lula recorreu ao Supremo Tribunal Federal alegando ser alvo de duas apurações simultâneas, do Ministério Público de São Paulo e do Ministério Público Federal. Ele alegou que não deveria ser investigado na Lava Jato e pediu ao STF que decida onde o processo deve tramitar. Em manifestação entregue hoje ao STF, Deltan Dallagnol defendeu a ideia de que não há conflito de competência nas investigações envolvendo o petista porque o MP em São Paulo e a força-tarefa da Lava Jato estariam lidando com casos diferentes.

Os indícios, segundo Dallagnol, são de lavagem de dinheiro e com participação do pecuarista José Carlos Bumlai e de executivos da construtora Odebrecht e da OAS. Os três já foram denunciados por outros esquemas criminosos envolvendo o petrolão.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505