31/03/2016 09h20 - Atualizado em 31/03/2016 09h20

Manaus continua sem caso confirmado de microcefalia por infecção de zika vírus

Até o momento, a capital registrou 2.029 pessoas notificadas pela doença.
grávida (Copy)

Informe Epidemiológico do Centro de Operações Conjuntas em Saúde (Ciocs) divulgado na quarta-feira, 30, pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) mostra que Manaus permanece sem caso confirmado de microcefalia causado pelo zika vírus. Até o momento, a capital registrou 2.029 pessoas notificadas pela doença, com 297 confirmações e 637 casos descartados, estando ainda 1.095 pessoas em investigação, sendo 178 grávidas.

“Temos 51 grávidas confirmadas com zika vírus, que estamos monitorando de forma prioritária, acompanhando a gravidez com os médicos até o nascimento do bebê, e com a supervisão do pediatra. O fato da mãe ter zika não significa que o bebê tenha microcefalia. No total tínhamos 364 gestantes notificadas, mas 135 já foram descartadas. Um caso de microcefalia foi descartado e estamos investigando ainda sete bebês”, garantiu Homero.

O secretário de saúde ressaltou que nenhuma infecção tem 100% de possibilidade de transmissão para o feto durante a gravidez, como do zika também não. “E quando há infecção no feto, elas não se manifestam da mesma forma. Por ser um assunto novo, não existe como afirmar qual é a taxa de transmissão e qual a chance do feto desenvolver a microcefalia”, declarou.

O Informe Epidemiológico divulgado pela Semsa também apontou que das 3.924 denúncias feitas pela população pelo telefone 0800 280 8280 (Disque Saúde), 3.557 locais já foram vistoriados pelos agentes de endemias.

Protocolo de atendimento especial
Homero de Miranda Leão Neto lembrou, ainda, que a Semsa tem um protocolo de atendimento especial com acompanhamento de todos os casos suspeitos de zika. Mesmo sem a confirmação da doença, cada caso está sendo acompanhado individualmente pelos profissionais de saúde. “O objetivo é evitar uma epidemia da doença, enfocando principalmente na prevenção à infecção pelo zika vírus em grávidas”, afirmou.

A meta, segundo o secretário, é permitir que os pacientes, principalmente mulheres grávidas, recebam atendimento médico e laboratorial o mais rápido possível, além de possibilitar o início imediato das ações dos agentes de endemias na eliminação de focos do mosquito na área onde o caso foi notificado.

De acordo com o fluxograma da Semsa, as gestantes que forem atendidas nas Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSFs) ou em Unidades Básicas de Saúde (UBSs), e que apresentarem sintomas para a doença, serão encaminhadas de forma imediata para 15 unidades de referência para atendimento com um médico obstetra, distribuídas nos Distritos de Saúde Sul, Leste, Oeste e Norte.

Logo após o primeiro atendimento médico em qualquer Unidade Básica de Saúde ou nas unidades da rede privada, o profissional de saúde deve realizar de forma imediata a notificação do caso ao Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs), que inicia os procedimentos para investigação epidemiológica e bloqueio mecânico/químico. Esse trabalho consiste na eliminação de locais criadouros do mosquito Aedes num raio de 300 metros em torno do local onde houve registro de casos suspeitos, associados à aplicação de inseticida para eliminação do mosquito Aedes aegypti na fase alada.

De acordo com a diretora do Departamento de Vigilância Ambiental e Epidemiológica (Devae) da Semsa, Angélica Tavares, a Vigilância também realiza a investigação de cada caso notificado com uma equipe de profissionais que acompanha o paciente em sua residência para verificar o fluxo de atendimento e os possíveis riscos existentes. Para a realização dos exames laboratoriais, quando necessário, os profissionais do Devae buscam o paciente em sua residência para que realize a coleta de material.

Grávidas
No caso de mulheres grávidas atendidas nas UBSs com sintomas de zika vírus, além da notificação, a investigação e o bloqueio químico e mecânico, os procedimentos são mais específicos. Após o primeiro atendimento, o profissional de saúde agenda, por telefone, diretamente com o diretor de uma das 15 UBSs de referência, uma consulta com médico obstetra, de preferência para o dia seguinte, quando são solicitados os exames específicos como a ultrassonografia.

“As UBSs de referência estão monitorando a gestante durante toda a gravidez, até ser descartada ou confirmada a suspeita de microcefalia ou outras complicações. Quando não há confirmação, a paciente deve retornar a UBS do primeiro atendimento para continuar o pré-natal normalmente. No caso de suspeita da doença permanecer, a paciente continua sendo acompanhada pelo profissional especialista até próximo do final da gestação e em seguida é encaminhada para um ambulatório de alto risco para continuar o tratamento”, explicou Angélica Tavares.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505