01/03/2016 15h50 - Atualizado em 1/03/2016 15h51

Para Elias Emanuel, mesmo com crise, educação municipal é eficiente

Vereador garantiu que os números da educação só têm crescido.
Foto: Tiago Corrêa
Foto: Tiago Corrêa

A crise econômica que se instalou no país foi tema do discurso do vereador Elias Emanuel (PSDB), durante o pequeno expediente dessa terça-feira (1º). O parlamentar lamentou o plano de demissão voluntária da Moto Honda da Amazônia, questionou a política do Governo Federal e defendeu a educação como ferramenta de transformação.

Instalada há quarenta anos no Polo Industrial de Manaus (PIM), a empresa que hoje é a segunda maior fabricante de carros no país não suportou o peso da crise econômica e desenvolveu um plano de demissão voluntária para os seus funcionários, agravando ainda mais os problemas do parque da Zona Franca. “Isso é algo que não só nos entristece, como também eleva o caos do nosso PIM. Com a crise, 495% das empresas então fechando suas portas no nosso estado, enquanto apenas 21% querem vir para cá. Que país é esse que estamos herdando?” indagou o líder do governo.

Elias relembrou o discurso da última segunda-feira (29), quando afirmou que a Zona Franca não tinha motivos para celebrar seu 49º aniversário e criticou profundamente o estilo de governar do Partido dos Trabalhadores (PT). “O que mais vemos hoje são desencontros na administração, como a saída do ministro da justiça que não suportou a pressão do próprio partido, que exigia um controle maior sobre a Polícia Federal. Que gestão é essa? Não se pode enconleirar um órgão que foi feito para investigar, apurar e punir se necessário”, destacou.

O líder da base lembrou ainda que, enquanto o país vive o caos pela crise econômica, a prefeitura de Manaus vem se sustentando e melhorando os seus índices, mesmo com o pouco apoio do Governo Federal que não tem feito os repasses necessários, reduzindo assim o investimento nos mais diversos setores, como a educação.

“Tem sido extremamente desafiador para o administrador público municipal enfrentar esse quadro de desajuste fiscal. O repasse do Fundeb que não é um favor que o governo faz, pelo contrário é um repasse constitucional, que nasce a partir da divisão dos vários impostos arrecadados aqui e tem diminuído de forma avassaladora”.

Mas o parlamentar garantiu que os números da educação só têm crescido e que isso é o reflexo de uma gestão que governa para todos. “A prefeitura conseguiu colocar só no ano passado, um índice de 91% de aprovação dos seus alunos e reduziu a taxa de abandono escolar que hoje está abaixo de 2,5%. A prefeitura tem reagido a esse momento de dificuldade e priorizado aqueles que podem ajudar a melhorar o desempenho do país no futuro próximo”, concluiu o vereador.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505