12/04/2016 07h21 - Atualizado em 12/04/2016 07h21

Dilma sofre revés maior que o esperado e oposição vê caminho aberto para o impeachment

A aprovação do relatório favorável ao impeachment da presidente teve apenas onze votos de diferença.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O governo entrou em campo para negociar, até os últimos momentos, o apoio de partidos aliados na comissão do impeachment. A ação fez com que três legendas – PR, PSD e PTN – mudassem de posição ao longo da sessão desta segunda-feira, mas não foi suficiente para evitar uma derrota ainda maior do que a calculada até mesmo pela oposição. A aprovação do relatório favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff por onze votos de diferença, na visão dos oposicionistas, pavimenta o caminho para o alcance dos 342 apoios necessários para a manutenção da decisão no plenário da Câmara.

Governistas tentam diminuir a derrota com o argumento de que o colegiado não atingiu dois terços (66%) de apoio ao parecer do relator Jovair Arantes (PTB-GO), proporção necessária em plenário para a destituição da presidente da República. O parecer de Arantes foi aprovado por 38 votos a 27, ou seja, 58% da comissão.

O resultado, no entanto, pegou o Planalto de surpresa e atingiu até a mais pessimista previsão dos governistas. No início do dia, o governo falava em ter entre 28 e 30 votos. A margem já era menor do que a da semana passada, quando esperava entre 29 e 31. Minutos antes da votação, a base governista já contabilizava um revés mais acentuado e havia baixado a previsão para entre 27 e 29 votos.

“Era para ser uma votação muito mais justa, muito mais apertada, e ganhou com folga, porque mostrou as mentiras que eles contaram durante todo o período. No plenário tenho certeza de que esse placar chega e chega forte”, afirmou o relator Jovair Arantes. “O placar me diz vitória, vitória do povo brasileiro. Essa é a máxima.”
Deputados pró-impeachment comemoram o resultado apontando o fato de a comissão ser considerada “chapa-branca” – formada apenas por indicações de líderes partidários, muitos dos quais sentam-se à mesa para negociar com o Planalto. “Esse número é acachapante para o governo. Deve-se considerar que essa foi a composição feita de acordo com o que o Palácio queria. Eles entraram na suprema corte e a comissão acabou sendo formada por indicações saídas do Palácio. Essa derrota vai repercutir muito no plenário”, afirmou o líder do PSDB, deputado Antônio Imbassahy (BA). “Essa história da proporção é balela, eles tinham obrigação de vencer. A comissão foi indicada por eles”, emendou o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).

Já o líder do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM), avalia que o placar pode ser determinante para uma definição entre os parlamentares que seguem sem uma posição. “O resultado foi expressivo e atinge os indecisos. Ninguém trabalhava com a expectativa de dois terços. No plenário da Câmara será ainda maior. A arma que nós temos é o povo na rua e nas redes sociais cobrando”, disse.

“A derrota do governo aconteceu numa comissão de deputados escolhida a dedo pelos líderes. Os governistas procuraram impor a sua vontade e não conseguiram. No plenário, as decisões serão de cada um. Aí vai falar a sociedade”, afirmou o presidente do DEM, Agripino Maia.

Aécio
Presidente nacional do PSDB, o senador Aécio Neves (MG) também comentou a aprovação do parecer de Jovair Arantes. “O resultado na Comissão Especial de Impeachment, que já era esperado, demonstra a fragilidade da defesa da presidente da República. Por maiores que tenham sido os esforços dos que a defenderam, é impossível defender o indefensável. A presidente da República cometeu crime de responsabilidade previsto na Constituição e terá a admissibilidade de seu processo de afastamento aprovado, segundo determina a mesma Constituição”, disse. “É preciso muita serenidade de todas as partes nessa hora para enfrentarmos e superarmos esse momento difícil pelo qual passa o país. Mas estou seguro de que sairemos desse processo mais fortes graças à força de nossas instituições e da nossa democracia”, continuou.

Governo
Acreditando uma reviravolta em plenário, o vice-líder do governo, Silvio Costa (PTdoB-PE), avalia que essa semana será transformada em uma “guerra de números” e aponta que a oposição não atingirá os 342 votos necessários. Após a votação, ele seguiu para uma reunião no Palácio do Planalto para analisar o resultado e traçar um plano de ação.

Costa se surpreendeu com ausência, por exemplo, do deputado Bebeto (PSB-BA), que se mostrava disposto a votar contra o impeachment. No entanto, depois de o partido fechar a questão contra Dilma, ele não votou nesta segunda-feira. O peessebista era um voto com quem o Planalto contava, mas agora já espera que deve se ausentar novamente na votação de domingo.

Nem sequer as conversas ao longo do dia conseguiram mudar o cenário. O Planalto esperava a derrota, mas tentou reverter o impacto político da aprovação da denúncia. Houve uma surpresa em partidos que estão na mira do Planalto, como PSD, PR e PTN. As bancadas estavam sem orientação, livres para votar. Em cima da hora, no entanto, o PTN anunciou que ficaria contra o relatório de Jovair Arantes (PTB-GO), assim como o PSD, rachado com um voto para cada lado, e o PR, que se esquivara de fazer o pronunciamento.

O presidente da comissão, Rogério Rosso (DF), decidiu votar e desequilibrou o placar no PSD, desfavorável a Dilma por 2 a 1. No PR, três deputados votaram juntos em defesa da presidente, depois de o líder Maurício Quintella Lessa (AL) se afastar da bancada. O governo atribuiu a debandada de Quintella a uma conversa com o vice-presidente Michel Temer. O PTN cumpriu o compromisso com o único voto, depois de vislumbrar a chance de fisgar um quinhão em cargos do governo.

Entre os partidos que não mudaram a orientação de liberdade, como o Partido Progressista e o PMDB, a oposição levou a melhor. O PP liberou a bancada e rachou: três deputados foram a favor e dois, contra. No PMDB, também com voto livre, quatro votaram em prol da denúncia e três, contra.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505