01/04/2016 06h45 - Atualizado em 1/04/2016 06h45

Em meio a surto de zika, governo quer entregar Ministério da Saúde para… engenheiro civil

O governo corre contra o tempo para recompor suas bases e sobreviver ao processo de impeachment.
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Correndo contra o tempo para recompor suas bases e sobreviver ao processo de impeachment, o governo da presidente Dilma Rousseff coloca à mesa seus principais ministérios, e o critério para a escolha dos nomes deixa de lado as atribuições técnicas para cada pasta para priorizar os votos favoráveis à petista na Câmara dos Deputados. Em ano de surto de zika vírus, por exemplo, o Planalto decidiu convidar para o comandar o Ministério da Saúde o deputado Ricardo Barros (PP-PR), um conhecido articulador político que não carrega em seu currículo nenhum conhecimento na área médica.

Formado em engenharia civil, Barros ganhou maior protagonismo na Câmara no ano passado ao assumir o papel de escudeiro do governo na função de relator do Orçamento. Na ocasião, ele saiu em defesa da retomada da CPMF, o imposto do cheque, um dos principais pleitos do Planalto para recuperar a economia, e deu aval à mudança da meta fiscal.

O PP, partido de Barros, tem 49 deputados e sofre dura pressão de correligionários para abandonar a aliança com o Planalto. Em reunião nesta quarta-feira, a cúpula da legenda decidiu agendar para meados de abril a data da convenção para discutir o desembarque. O governo, que precisa de 172 votos para fugir do impeachment, tenta conter o movimento oferecendo um dos mais robustos cargos na Esplanada dos Ministérios.

Se confirmado no posto, o parlamentar será o único ministro da Saúde desde o governo Lula a assumir o cargo sem ter a mínima experiência médica. À exceção de José Agenor Álvares da Silva, que é bioquímico e sanitarista e esteve à frente da Saúde entre 2006 e 2007, desde 2003 todos os titulares da pasta foram formados em medicina.

Em sua página pessoal, o cotado a ministro da Saúde destaca em seu currículo, além da graduação em engenharia civil, a experiência como prefeito de Maringá, entre 1989 e 1993, e a apresentação de projetos ligados à educação.

Varejo
Terceira maior bancada na Câmara, o PP já comanda o Ministério da Integração. O ministro, porém, deve ser alterado: sairá Gilberto Occhi para assumir o deputado Cacá Leão, filho do vice-governador da Bahia, João Leão, aliado do ministro Jaques Wagner (Casa Civil). Occhi, por outro lado, não ficará a ver navios: a presidência da Caixa Econômica Federal foi oferecida ao pepista.

No dominó de loteamento de cargos, o PR, hoje à frente do Ministério dos Transportes, pode ser beneficiado com o Ministério de Minas e Energia ou com o da Agricultura. É cotado para o posto o líder da legenda na Câmara, deputado Maurício Quintella (AL).

O PSD, que comanda o Ministério das Cidades, também pode ganhar mais espaço na Esplanada. A legenda discute a possibilidade de assumir o Ministério do Turismo – que também está sendo disputado pelo PRB. O partido ligado à Igreja Universal entregou o Ministério do Esporte e anunciou o rompimento com Dilma, mas, nos bastidores, negocia o apoio à presidente Dilma em troca de cargos. A legenda ainda pode receber, de tabela, a Embratur.

Até o nanico PTN está na lista de distribuição do Planalto e deve levar o comando da Funasa (Fundação Nacional de Saúde). O PROS, que teve uma passagem relâmpago no Ministério do Esporte após George Hilton migrar para a legenda, também está em negociação e espera ser retribuído pelo governo após a derrubada de Hilton. Todas mudanças estão sendo feitas após o PMDB romper a aliança com a presidente Dilma Rousseff e colocar à disposição, apesar da resistência dos ministros, sete pastas na Esplanada.

Nesta quinta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ironizou a barganha feita pelo governo para fugir do processo de impeachment. “É liquidação de fim de governo. É o feirão do petrolão”, disse.

Fonte: Veja.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505