30/04/2016 22h58 - Atualizado em 30/04/2016 22h58

Pesquisa Ibope: Bolsonaro tem 11% das intenções de voto e menor rejeição

Rejeição a virtuais candidatos à presidência só aumentou, o que dá espaço para a entrada de “azarão” na disputa, aponta colunista do Estadão.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

De acordo com pesquisa divulgada Ibope pelos colunistas José Roberto de Toledo, do jornal O Estado de S. Paulo, e de Lauro Jardim, do jornal O Globo, apenas 8% dos brasileiros acreditam que o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e substituição dela pelo vice Michel Temer (PMDB) seria a “melhor forma de superar a crise política”. 62% estão a favor de novas eleições.

Entre quem diz ter votado em Dilma em 2014, as opiniões estão divididas: 45% são pró-continuidade, e 44%, pró-eleição. Já entre os eleitores de Aécio Neves (PSDB) em 2014, três em cada quatro gostariam que Dilma e Temer saíssem, e um novo eleito entrasse: 77%, contra 13% pró-Temer.
Entre os entrevistados, 25% avaliam que Dilma deveria continuar onde está — seja porque acham que ela faz uma boa gestão, seja porque toparia “um novo pacto entre governo e oposição”.

A pesquisa foi realizada entre os dias 14 e 18 de abril, em 142 municípios de todos os estados do País.

O levantamento não mostrou boas notícias para nenhum virtual candidato às eleições: o voto potencial a Aécio Neves passou de 40% em fevereiro para 32% em abril, enquanto sua rejeição subiu de 44% para 53%. O governador de São Paulo Geraldo Alckmin passou de voto potencial de 30% em fevereiro para 24% este mês, enquanto sua rejeição oscilou de 52% para 54%. O senador José Serra passou de 32% em fevereiro para 28% agora, e sua rejeição também oscilou para 54%.

Já o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tinha 34% dos votos potenciais em fevereiro, passou a 31%, enquanto a sua rejeição cresceu de 61% para 65% desde fevereiro. Já Marina Silva oscilou: de 41% de voto potencial para 39%, enquanto sua rejeição subiu de 42% para 46%.

Ciro Gomes (PDT) manteve os 19% de voto em potencial e sua rejeição segue em 45%. Já Jair Bolsonaro (PSC) entrou pela primeira vez na pesquisa e chegou a 11% de potencial de voto, enquanto outros 34% dizem que não votariam nele de jeito nenhum. Sua rejeição é menor que a dos demais talvez porque ele é o mais desconhecido: 54% não o conhecem, destaca Toledo. O colunista do Estadão também ressalta: a corrida presidencial está aberta a azarões.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505