16/04/2016 14h00 - Atualizado em 16/04/2016 14h00

Se impeachment passar devemos paralisar a nação, ameaça membro da direção nacional do MST

A declaração foi dada por João Pedro Stédile em evento promovido por movimentos sociais e sindicais em defesa do governo.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

João Pedro Stédile, membro da direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), afirmou nesta sábado, 16, que, se o impeachment da presidente Dilma Rousseff passar no domingo, 17, na Câmara, os movimentos sociais precisam organizar uma grande paralisação nacional para os próximos dias.

A declaração foi dada em evento promovido por movimentos sociais e sindicais em defesa do governo, que contou antes com um discurso do ex-presidente Lula.

“Se o impeachment for para o Senado, só há uma maneira de dar o nosso recado: é fazer uma paralisação nacional em todo o país. Isso exige paciência e debate. Vamos discutir nos nossos Estados, construir nos próximos 10, 15 dias uma grande paralisação da produção, dos transportes, das escolas, do serviço público, e dizer que a burguesia não vai ter sossego”, afirmou.

Segundo Stédile, somente reformas como a agrária, a urbana e a dos meios de comunicação vão alterar a correlação de forças e tirar o governo “dessa emboscada de ficar mendigando votos no Congresso”.

“O governo precisa criar vergonha e parar de montar ministérios com siglas partidárias que não representam ninguém. Esses partidos conservadores, que fingiam dar sustentação ao governo, só queriam mamar nas tetas do recurso público e agora traíram o governo”, comentou.

Ele disse que conversou recentemente com Lula e este lhe perguntou se seria a hora de escrever uma nova Carta ao Povo Brasileiro, como o petista fez nas eleições de 2002. Stédile, no entanto, opinou que desta vez o povo é que deveria escrever a carta e enviar ao governo com suas reivindicações.

O líder Sem Terra lembrou que, mesmo que a Câmara reprove o impeachment, a “guerra” não estará terminada.

Uma das possibilidades é que a oposição pressione o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a anular as eleições de 2014, por supostas irregularidades na campanha de Dilma.

Stédile disse ainda que, barrado o impedimento de Dilma, o próximo passo é que o Supremo Tribunal Federal (STF) libere – possivelmente no próximo dia 20 – a posse de Lula como ministro da Casa Civil.

Fonte: Exame.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505