30/05/2016 16h15 - Atualizado em 30/05/2016 16h15

Temer decide manter ministro da Transparência

Em áudio, o ministro Fabiano Silveira critica a operação Lava Jato.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Acabou no início da tarde desta segunda-feira, 30, a reunião do presidente em exercício, Michel Temer, com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, no Palácio do Planalto, para fazer uma avaliação da situação do ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira.

Segundo interlocutores, Temer decidiu manter o ministro no cargo “por enquanto”.

Não há um definição do tempo e de que fatores poderiam mudar a situação, mas segundo fontes o presidente em exercício disse que é essa a orientação “até segunda ordem”.

Como forma de pressionar o presidente em exercício, os chefes regionais do Ministério da Transparência colocaram cargos à disposição nesta segunda-feira.

À tarde, Temer segue no Planalto em despachos internos e, às 16 horas, tem encontro com o presidente do Instituto Brasileiro de Direito administrativo (IBDA), Valmir Pontes Filho.

Depois, às 17 horas, Temer tem agendado um encontro com o procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. Segundo interlocutores, oficialmente o encontro com Janot é para tratar de uma pauta específica da PGR.

Silveira teve áudios de conversas com ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado divulgados ontem pelo Fantástico.

Nas conversas, há cerca de três meses, quando Silveira ainda era do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ele aconselha Machado e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sobre como deveriam agir em relação às investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

Atualmente, Silveira comanda pasta estratégica para medidas de combate à corrupção no País.

No domingo, Silveira procurou o presidente em exercício no Palácio do Jaburu para se explicar e teria saído de lá convencido de que Temer o daria mais um voto de confiança.

Essa é a segunda semana seguida em que o governo Temer começa tendo que resolver problemas relacionados ao alto escalão.

Na segunda-feira passada, após o então ministro do Planejamento, Romero Jucá, ser flagrado em áudios com Machado falando em “estancar a sangria” na Lava Jato, Temer teve a primeira baixa em sua equipe.

Jucá ficou apenas 12 dias no cargo e pediu licença do Planejamento para esclarecer os fatos.

No Palácio do Planalto, o clima é de cautela. “O assunto dominante é esse, vamos de novo começar a semana no improviso”, disse um assessor palaciano.

Texto atualizado às 15h39

Exame.com

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505