10/06/2016 13h44 - Atualizado em 10/06/2016 13h44

Brasil apresenta redução de 87% nas notificações dos casos de Zika

Maior incidência ocorreu em fevereiro deste ano. Números vem reduzindo desde então.
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O risco de transmissão das doenças pelo mosquito Aedes aegypti no Brasil no período dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos é mínimo. É o que apontam os dados apresentados pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, nesta sexta-feira (10), no Rio de Janeiro, durante entrevista coletiva com correspondentes estrangeiros. Os índices dos casos do vírus Zika estão em declínio no país e já caíram 87% no comparativo entre fevereiro e maio deste ano.

O pico de maior incidência de notificações da doença foi registrado na terceira semana de fevereiro, com 16.059 casos. Na primeira semana de maio, os registros despencaram para 2.053. Os números reforçam, mais uma vez, os resultados das ações de enfrentamento ao mosquito Aedes aegypti, além de demonstrar um comportamento diferente do habitual neste ano. Em 2016, o declínio de casos começou antes do previsto, uma vez que historicamente o pico das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti é em abril.

“De acordo com estudo divulgado pela Universidade de Cambridge, a expectativa é de menos de um caso de infecção entre os 500 mil turistas que devem chegar para as Olimpíadas. O risco de Zika é mínimo, principalmente pelas condições climáticas da época e pela mobilização no combate ao mosquito aqui no Rio de Janeiro”, destacou o ministro Ricardo Barros. Ele disse ainda que o Rio de Janeiro terá um reforço de 2,5 mil profissionais da área da saúde e todos os atletas sob a responsabilidade do Comitê Olímpico terão disponíveis repelentes, roupas específicas e os materiais necessários. “Assim como na Copa do Mundo e na Jornada Mundial da Juventude, temos certeza que a cortesia do povo e a qualidade da realização de megaeventos estão garantidas para os jogos Olímpicos”, completou.

Confira aqui a apresentação completa

Nas cidades onde haverá jogos Olímpicos e Paralímpicos os números apresentam comportamento
semelhante ao nacional, com pico da doença entre fevereiro e queda expressiva nos meses seguintes. O município do Rio de Janeiro, por exemplo, teve o maior registro de casos na terceira semana de fevereiro, com 2.116 casos. Nas semanas posteriores, os dados caíram, chegando a 208 casos notificados em maio, o que representa uma redução de 90%.

Ao contrário do hemisfério norte, o Brasil está no período do inverno, quando historicamente e epidemiologicamente os índices das doenças transmitidas pelo mosquito estão em declínio e atingem o menor índice. A data corresponde exatamente com os meses de agosto e setembro, quando serão realizados os Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Brasil.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, relembra que na Copa do Mundo de 2014 as pessoas também tinham medo de vir ao país e pegar doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. “Durante a Copa foram registrados apenas três casos em turistas. As estatísticas mostram que o período dos jogos não é endêmico. Isso ocorre principalmente porque no inverno as chuvas são menos frequentes o que dificulta a proliferação do mosquito”, afirmou.

ESTUDOS – Um recente estudo desenvolvido por cientistas do Hospital São Paulo/Escola Paulista de Medicina de São Paulo e cientistas de outros quatro países, divulgado na Revista da Universidade de Cambridge, da Inglaterra, aponta que o risco de turistas contraírem o vírus Zika durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos é de 1,8 casos por um milhão de pessoas. Para dimensionar a probabilidade, pesquisadores analisaram a curva de casos por semana epidemiológica de dengue na cidade do Rio de Janeiro. Após a análise foi possível calcular um parâmetro da presença do Aedes aegypti no período dos jogos em 2016.

Considerando a previsão de 500 mil turistas estrangeiros durante os Jogos, seriam menos de um caso de Zika no período. “Se vierem um milhão de turistas para o Brasil durante as Olimpíadas, que é um número considerável, nós provavelmente não teremos mais de cinco casos de Zika entre os turistas. Então, é um risco muito baixo e de pequena repercussão do ponto de vista de saúde pública”, pontuou o professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Marcelo Burattini, um dos autores do estudo. Para o professor, a região Sudeste no período das Olimpíadas praticamente não tem atividade de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. “A nossa estimativa deveria ser considerada como limite superior, como risco máximo a ser atingido. O risco real provavelmente vai ser menor do que isso”, afirmou.

JOGOS OLÍMPICOS – O Ministério da Saúde, em parceria com o governo do Estado do Rio de Janeiro e a prefeitura do Rio de Janeiro, organizou uma série de ações pelo país para garantir a assistência à saúde durante a competição. Foram investidos R$ 72 milhões na compra, aparelhamento e custeio de 146 ambulâncias que estarão disponíveis para cobertura da população durante o período das competições. Está previsto também R$ 2,8 milhões para aquisição de equipamentos de proteção individual (EPI) – como luvas de proteção e máscaras – e antídotos para emergência com químicos, biológicos e radiológicos, além da capacitação de 1,7 mil profissionais para situações de emergência como acidentes químicos e biológicos.

Estão sendo contratados 2.500 profissionais de saúde temporários, entre médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem para reforçar o atendimento nos hospitais federais do estado do Rio. Além disso, estão em atuação 3.500 profissionais, como agentes externos, para inspecionar e eliminar focos da dengue, instruir as pessoas e visitar toda a região do entorno das áreas onde serão realizados os Jogos. Será ativado o CIOCS (Centro Integrado de Operações Conjuntas da Saúde) a partir do dia 5 de julho para monitorar as situações de risco, a demanda por atendimento, a vigilância epidemiológica e sanitária, além de coordenar respostas diante de emergências em saúde pública.

Para orientar os visitantes com informações para prevenção de saúde, o Ministério da Saúde disponibiliza a página do Saúde do Viajante (www.saude.gov.br/viajante).

NOTIFICAÇÃO – O vírus Zika está presente em 60 países, incluindo o Brasil, cuja população representa apenas 15% das pessoas expostas ao vírus. O Ministério da Saúde tornou compulsória a notificação dos casos de Zika em fevereiro deste ano. No entanto, antes mesmo da obrigatoriedade em todo o país, alguns estados adotaram a notificação de todos os casos suspeitos do vírus Zika, como o Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Esta iniciativa pode demonstrar um maior cuidado com as questões de prevenção e controle deste agravo na população.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505