14/06/2016 13h27 - Atualizado em 14/06/2016 13h29

Herança petista: Polícia Federal identifica terrorista morando em Santa Catarina

Ele mantinha rotina de uma hora diária de treino para ataque à distância, depois de ter viajado para o Estado Islâmico.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Polícia Federal indiciou por três crimes um morador de Chapecó, Santa Catarina, suspeito de planejar um atentado terrorista no Brasil após morar numa cidade controlada pelo Estado Islâmico, na Síria. Esta é a primeira vez que a PF identifica uma pessoa que saiu do Brasil, foi à Síria e voltou ao país para planejar ações suspeitas. O material exclusivo é de Filipe Coutinho, na Revista Época.

Este não é o primeiro caso de um terrorista identificado vivendo no Brasil sob os auspícios do ex-governo petista. O professor da UFRJ, Adlene Hicheur, era condenado por terrorismo na França. O quê não impediu que o Itamaraty petista lhe concedesse visto permanente no país. Hicheur teve sua condenação por atos terroristas praticados no Magreb e por ligações diretas com a Al-Qaeda.

O suspeito de terrorismo preso em Chapecó é Ibrahim Chaiboun Darwiche, dono de um restaurante na cidade. A PF descobriu que ele produziu um vídeo defendendo os ataques do Estado Islâmico no jornal Charlie Hebdo, em Paris. Ele foi indiciado por incitação ao crime, preconceito religioso e pela lei de segurança nacional. Somadas, as penas podem chegar a dez anos. A situação de Ibrahim poderia ser ainda mais grave se a lei que tipifica o terrorismo já estivesse em vigor. Nesse caso, a pena poderia dobrar.

Divulgado na internet, esse vídeo foi o ponto de partida para uma investigação do núcleo de combate ao terrorismo da Polícia Federal. Os investigadores descobriram que Ibrahim se preparava para um ataque no Brasil, com uma rotina de treinamentos durante a madrugada.

Na casa de Ibrahim, a PF descobriu uma anotação manuscrita com os horários de cada atividade: “1h a 2h: estudo da prática de tiro (sniper); 2h a 3h: leitura do Alcorão; 3h a 5h: divulgação do islã; 5h a 5h30: oração; 7h a 8h: atividade física”. Ibrahim ainda tinha desenhos com diversos pontos de tiro na coluna vertebral de um alvo.

A PF descobriu ainda que Ibrahim havia passado 87 dias na cidade Dar Ta Izzah, controlada pelo Estado Islâmico, entre janeiro e abril de 2013. A PF suspeita que ele foi orientado pelo Estado Islâmico. “É plausível e bastante provável que Ibrahim tenha tido contato com jihadistas extremistas do Estado Islâmico e recebido doutrinação religiosa e treinamento militar”, diz a PF. Como foi relevado pelo jornal Folha de S.Paulo, a situação de Ibrahim foi considerada “diferente” pela Justiça Federal de Santa Catarina e, por isso, a PF o monitora 24 horas por dia, com tornozeleira até o encerramento da Olimpíada.

Procurado, Ibrahim desligou o telefone após a reportagem ter se identificado. À PF, ele negou autoria do vídeo e disse que não esteve em região controlada pelo Estado Islâmico.

Fonte: Sul Connection

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505