20/06/2016 18h23 - Atualizado em 20/06/2016 18h23

José Melo participa de reunião em Brasília para discutir dívida dos estados

O Amazonas aparece em penúltimo lugar no ranking dos estados da federação mais endividados.
Foto: Divulgação/Secom
Foto: Divulgação/Secom

Com a capacidade de endividamento que chega aos R$ 22 bilhões, o Amazonas aparece em penúltimo lugar no ranking dos estados da federação mais endividados. A dívida amazonense está na casa dos R$ 6,9 bilhões. A posição é muito favorável diante do atual cenário econômico, que obriga a maior parte dos estados a negociar o alongamento da dívida por 20 anos e carência de 100% das parcelas por até dois anos. Para o governador do Amazonas, José Melo, os estados com menor endividamento também precisam de uma contrapartida de enfrentamento da crise, que passa por créditos para custeio e investimentos estratégicos em setores da economia.

“Além de participar da negociação, o nosso governo, que tem a maior capacidade de endividamento, precisa de recursos para manter o custeio da máquina e ainda investir no setor primário por meio da nova Matriz Econômica Ambiental. É dinheiro para piscicultura, fruticultura e melhoria de estradas e ramais. Dessa forma, vamos superar um momento muito delicado da economia planejando uma alternativa que nos dará mais segurança lá na frente”, destacou o governador.

Mesmo não sendo um dos estados mais beneficiados com negociação da dívida com a União, o Amazonas não deixa de ganhar caso o entendimento avance. De acordo com o secretário da Secretaria de Fazenda do Amazonas (Sefaz-AM), Afonso Lobo, a economia pode chegar a R$ 50 milhões em 12 meses. O efeito prático de uma possível negociação está baseado na Lei 9496 de 1997. Ela possibilita que a União assuma todas as dívidas dos estados com instituições financeiras. A dívida do Amazonas decorrente da Lei 9496/97 é da ordem de R$ 560 milhões. “Nós pagamos mensalmente algo em torno de R$ 5 milhões com relação à lei (9496/97). Então, nós teríamos um alongamento na dívida decorrente desta lei e consequente redução das parcelas. Isso é pouco atrativo para o Amazonas. A proposta feita a nós está pautada em operações de crédito dentro do limite de espaço fiscal que temos, mas isso ainda não é suficiente”, explica o secretário.

Caso o mecanismo fosse aprovado, o Amazonas teria uma redução de 100% da dívida relativa à Lei 9496/97 no mês de julho e em agosto e setembro a redução seria de 90%. A progressão seria igual, a cada dois meses até, a quitação.

A reunião do Fórum Permanente de Governadores foi realizada na manhã desta segunda-feira, 20, na residência oficial do governo do Distrito Federal. Quatorze chefes de executivo estaduais participaram do encontro.

O governador cumpre uma série de compromissos em Brasília. No foco dos trabalhos estão reuniões importantes com Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Ministério da Fazenda. José Melo ainda se reúne com o presidente interino da República, Michel Temer, oportunidade em que deve reforçar a necessidade de recursos para o Amazonas.

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505