07/09/2016 12h26 - Atualizado em 7/09/2016 12h26

Lava Jato denuncia empreiteiros por barrar investigações da CPI da Petrobras

A investigação foi baseada nas delações premiadas do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Os procuradores da força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato apresentaram ontem (6) denúncia contra dois empreiteiros acusados de repassar R$ 10 milhões em propina ao ex-senador Sérgio Guerra, falecido em 2010, e ao deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) para barrar as investigações da extinta CPI da Petrobras, em 2009.

De acordo com a denúncia, Ildefonso Colares, ex-executivo da empreiteira Queiroz Galvão e Erton Medeiros, da Galvão Engenharia, participaram de uma reunião, na qual o valor foi oferecido. A investigação foi baseada nas delações premiadas do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef.

Segundo os investigadores, o relatório final da CPI não indiciou nenhum investigado das duas empreiteiras e concluiu que os indícios de irregularidades em refinarias da Petrobras eram inconsistentes.

De acordo com o procurador Deltan Dallagnol, chefe da força-tarefa, a investigação mostra que parlamentares também podem agir para barrar investigações contra si. “A sociedade precisa ficar atenta, porque reações contra a Lava Jato já começaram e se fortalecerão, tanto mediante campanhas difamatórias como por meio de iniciativas legislativas.”, disse.

O pagamento de propina para barrar as investigações da CPI da Petrobras também é investigado na ação penal em que o ex-senador Gim Argello responde na Operação Lava Jato.

Fonte: Agência Brasil

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.

Ultimas notícias

Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505