A benesse da vergonha!

26/01/2017 15h23 - Atualizado em 26/01/2017 15h23
Foto: divulgação

Imagine você, que os mesmos presos que não demonstram qualquer problema em arrancar as cabeças, corações e incendiar seus parceiros de crimes, na última rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, são os mesmos que em datas comemorativas, saem às ruas com o aval da justiça, na chamada saída temporária.

Pois bem, esses ‘anjinhos’ protegidos pelos Direitos Humanos e por meia dúzia de ativistas, – que até hoje não vi levar nenhum deles para casa-, possuem o direito de estar entre a sociedade de bem, no Natal, Páscoa e Dia das Mães e assim, aproveitam o “saidão”, para ferir de morte às famílias e o Estado.

Foi assim no caso do policial militar Challanger de Oliveira Ferreira, lotado na 24ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), que morreu em confronto com pai e filho, que ao serem contemplados com a benesse no último natal, partiram para assaltar a loja onde estava o militar.

Em uma das suas ‘brilhantes’ medidas, a então presidente Dilma Rousseff, mudou alguma das regras da concessão e determinou que o preso que cumpriu um terço da pena, sem ser reincidente e metade da pena sendo reincidente tem direito ao benefício. Também podem sair as presas que não cumpriram crime hediondo, tenham cumprido um quarto da pena, tenham bom comportamento e tenham filhos menores de idade ou deficiente.

O que na teoria, seria um método de reabilitar o criminoso, acaba sendo uma arma poderosa para novas infrações, já que, o Estado brasileiro se mostra incapaz de ressocializar seus condenados, que hoje representam um gasto maior do que os seus educandos. O que nos lembra que é melhor educar do que reprimir.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505