Comitê integrado monitorava ameaças nos presídios de Manaus, afirma Governo do Amazonas

O trabalho vinha sendo feito integrado com participação de órgãos federais.
04/01/2017 17h06 - Atualizado em 4/01/2017 17h07

Foto: Reprodução


O Governo do Amazonas informou nesta quarta-feira (4) que estava monitorando as ameaças de fugas e rebeliões desde o início do ano passado nos presídios de Manaus, bem como a ação das facções criminosas dentro e fora do presídio. O trabalho vinha sendo feito integrado com órgãos de várias esferas, o que culminou com a implantação em outubro de 2016 de um Comitê de Gerenciamento de Crise do Sistema de Segurança Pública, com representantes estaduais, federais, dentre os quais a Polícia Federal, a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), a Polícia Rodoviária Federal, Forças Armadas e Corpo de Bombeiros.

O Comitê inclui, ainda, órgãos municipais e representantes de órgãos de Justiça e Controle, como o Ministério Público, dentre outros, que são acionados sempre que detectada alguma anormalidade. “Ameaças de fugas e rebeliões são detectadas constantemente pelos órgãos de inteligência e do Sistema de Segurança Pública e sempre foram tomadas as providências necessárias. Em função delas que montamos um comitê em outubro”, declarou o secretário Estadual de Segurança Pública, Sérgio Fontes.

Segundo ele, graças ao monitoramento constante, pelo menos nove túneis foram descobertos em 2016 e fugas em massas foram impedidas, pelos próprios meios do Estado, com o reforço de policiamento e revistas internas. Também foi por conta dos planos e estratégias discutidos no comitê que a resposta foi rápida durante o motim. “Graças ao comitê salvamos todos os reféns”, disse fontes.

Ainda segundo ele, a questão do fato ocorrido não se tratou de apenas uma ameaça de fuga ou rebelião, já que os presos planejavam matar os rivais e assim o fizeram, antes mesmo da polícia chegar ao local. Sobre as supostas falhas, o governador determinou rigorosa apuração.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso