Defesa prevê mil homens das Forças Armadas para inspecionar presídios

Para auxiliar os estados a enfrentar o crime organizado, o presidente, autorizou o emprego das Forças Armadas para realizar buscas.
18/01/2017 17h08 - Atualizado em 18/01/2017 17h08

Foto: Reprodução


O Ministério da Defesa prevê o emprego de cerca de mil homens das Forças Armadas em 30 equipes para realizar inspeções em presídios. Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (18), o ministro Raul Jungmann disse que as equipes estarão em condições de atuar nas unidades em até 10 dias.

Para auxiliar os estados a enfrentar o crime organizado, o presidente da República, Michel Temer, autorizou, na terça-feira (17), o emprego das Forças Armadas para realizar buscas e apreensões de armas, celulares, drogas e outros materiais ilícitos. Os militares, de acordo com Jungmann, não terão contato direto com os detentos.

As inspeções serão feitas mediante pedido de governadores, que são os responsáveis pelos presídios estaduais. Os trabalhos serão articulados com as forças de segurança locais, que ficarão responsáveis por retirar os presos das celas a fim de iniciar as varreduras.

A Defesa prevê um orçamento de R$ 10 milhões para as ações nos presídios, valor que poderá variar de acordo com os pedidos dos Estados. “A previsão inicial é de cerca de mil homens em 30 equipes. Como atuamos sob demanda, esse número pode vir a crescer”, disse Jungmann.

Segundo o ministro, as Forças Armadas têm experiência nesse tipo de trabalho. “Fizemos varreduras em praticamente todos os imóveis da Olimpíada”, lembrou.

Jungmann também destacou que os militares possuem treinamento e capacitação na área de direitos humanos. Um procurador do Ministério Público Federal Militar – que não possui ligação com as Forças Armadas – acompanhará os trabalhos.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso