Repórter demitido pela Rede Amazônica, na verdade, pretendia proteger a Umanizzare

Clayton é dono da empresa F5 Comunicação, que presta assessoria de imprensa para a Umanizzre.
06/01/2017 12h08 - Atualizado em 6/01/2017 12h08

Foto: Reprodução


Nos últimos dias ganhou força nas redes sociais o fato do repórter da Rede Amazônica, Clayton Pascarelli Rebouças ter sido demitido. Os comentários que dominaram a internet dão conta de que o jornalista teria sido desligado da empresa de comunicação porque comentou a seguinte frase no Programa Bom dia Amazônia “O que esperar desse governo?” e que a demissão teria atendido um pedido do governador, José Melo (PROS).

Mas veio à tona a verdadeira versão sobre a demissão. Clayton Pascarelli é dono da empresa F5 Comunicação, que presta assessoria de imprensa para a Umanizzre Gestão Prisional e Serviços, que administra o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) e por esse motivo, está recebendo bombardeiro de todos os lados por conta da rebelião e mortes ocorridos na capital.

De acordo com informações que circulam nos bastidores, o repórter pretendia usar o canal de TV para proteger a Umanizzare, o que não dão certo e acabou disseminando uma outra versão na sociedade.


Fonte: Redação AM POST


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso