Amazonas amplia exportações de cosméticos aos EUA

A empresa Pharmakos d’Amazônia realizou sua primeira exportação para o país após 16 anos de existência.
09/02/2017 08h39 - Atualizado em 9/02/2017 08h39
Foto: Divulgação/CIN-AM

A Federação das Indústrias do Estado do Amazonas, por meio do Centro Internacional de Negócios do Amazonas (CIN-AM), tem apoiado e incentivado o empresariado amazonense a buscar a internacionalização de suas empresas e neste mês a Pharmakos d’Amazônia, empresa existente no mercado regional há 16 anos realizou sua primeira exportação, uma conquista que era perseguida há mais de dez anos pela empresa genuinamente amazônica.

O país importador foram os Estados Unidos, que iniciou a compra de produtos de higiene e beleza. Os produtos enviados para os EUA, foram especificamente shampoos, condicionadores, sabonetes líquidos, medicamentos à base de arnica e copaíba além de perfumes.

O diretor da empresa, Schubert Pinto Júnior, conta foram enviadas para os Estados Unidos amostras pelos Correios, mas que essa é a primeira vez que uma mercadoria foi realmente exportada com documentação e trâmites legais.
“Participamos incansavelmente de muitos cursos, treinamentos, capacitações e coaching oferecidos pelo CIN, através de projetos de internacionalizações da Rede CIN e sempre contamos com esse apoio para que nos adequasse juridicamente e pudéssemos ser uma empresa exportadora. Nossos produtos são sucesso aqui na região e em mais de quatorze estados brasileiros, mas hoje podemos afirmar que estamos adentrando no mercado internacional”, destacou Schubert.

A Pharmakos produz para diversos segmentos, como perfumaria com bioativos aromáticos da floresta amazônica; alimentos especificamente de seleção de especiarias, ervas, frutos, óleos e aromas e os produtos phytocosméticos. “A empresa iniciou com produção artesanal e hoje produz em escala industrial com mais de 53 produtos para saúde e beleza. É com muita alegria que estamos acompanhando essa evolução”, destacou o gerente executivo do CIN-AM, Marcelo Lima.

Visão inovadora

Schubert explica que para a empresa entrar no comércio exterior, foi preciso dois anos de aprendizado, busca por conhecimento e foco no objetivo. Ele conta que foi preciso viabilizar a abertura de um escritório da Pharmakos no país americano, já que é uma exigência, além de possuir toda a documentação necessária e adequação do rótulo da empresa nos EUA de acordo com o mercado americano.

“Fizemos uma ampla pesquisa de mercado, pesquisamos os medicamentos existentes nas duas maiores farmácias dos Estados Unidos e hoje fabricamos produtos que já existem no local, mas com o diferencial da Amazônia e com isso temos alcançado sucesso”, enfatizou o diretor.

O empresário revelou ainda, que quando participou da Feira em Dubai, a Beauty World Middle East, articulada pela Rede CIN, o horizonte se abriu em sua mente e a partir de então percebeu que a Pharmakos poderia estar no mercado internacional.

“O CIN sempre nos alertou para a importância de exportar, e por muitas vezes nos ofereceu o recurso necessário para participar de feiras e missões que nos abririam portas. A grande dificuldade do empresariado local é a preocupação somente com o regional e por isso, muitas vezes perdemos a oportunidade de nos tornarmos uma empresa também internacional”, finalizou Schubert.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso