Após reunião na Comam/Aleam, técnicos do ICMBio fazem visita às Unidades de Conservação no Sul do AM

Nesta quarta-feira (26) deu-se inicio a visita in loco, ao perímetro das Unidades de Conservação no Sul do Amazonas, para evidenciar a ocupação humana anterior a criação das reservas.
26/04/2017 14h57 - Atualizado em 26/04/2017 14h57
Foto: Divulgação

Os técnicos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Sindicato Rural do Sul do Amazonas (Sindisul), Comissão de Assuntos Municipais e Revisão Territorial da Assembleia Legislativa do Amazonas (Comam/Aleam), Federação de Agricultura e Pecuária do Amazonas (Faea), Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), começaram nesta quarta-feira (26) a visita in loco, ao perímetro das Unidades de Conservação no Sul do Amazonas, para evidenciar a ocupação humana anterior a criação das reservas.

A ida dos especialistas se estenderá até a quinta-feira (27). A decisão aconteceu durante reunião técnica, realizada na manhã desta quarta-feira (26), no seio da Comissão de Assuntos Municipais e Revisão Territorial da Assembleia Legislativa do Amazonas, presidida pelo deputado Platiny Soares (DEM). O encontro foi o último antes da definição política acerca do tema, que deverá acontecer em Brasília no dia 03 de maio.

“Esse é um passo crucial para darmos fim ao impasse. Esperamos que todos os anseios sejam atendidos e possamos garantir, não só a sobrevivência econômica das famílias afetadas, quanto à proteção da nossa fauna e flora”, ressaltou Platiny Soares.

Os atos
Em 11 de maio de 2015, no Diário Oficial da União a presidente Dilma Rousseff, editou uma série de Decretos que criaram as áreas de Proteção Ambiental (APA) Campos de Manicoré, a Reserva Biológica (Rebio) Manicoré, o Parque Nacional (Parna) do Acari e as Florestas Nacionais (Flona) do Aripuanã e de Urupadi, além da ampliação da Flona Amana. Todas elas ficam no Amazonas e, juntas, ocupam área maior do que estado de Alagoas.

“Tomemos o exemplo de Apuí. Este município possui 54.956 km². As áreas de Conservação criadas entre 2002 e 2006 abrangem parte do PARNA Juruena, FLONA Jatuarana, PAE Aripuanã Guariba, totalizando 42.285 km². Em percentual, essa área já abrangia 76,9% do território de Apuí. Com as novas criações, as UC’s FLONA Aripuanã e PARNA Acari, juntas passam a 2.382 km². Somando com as já existentes, o total do Município de Apuí constituído por Unidades de Conservação é de 44.667,67 km², o que abrange 81,2% do Território Municipal”, afirmou Platiny Soares em moção de repúdio enviada ao Congresso Nacional.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505