“Pode vir quente que eu estou fervendo” diz David Almeida ao retrucar ataques de Arthur

O governador chamou Arthur de ‘dorminhoco’, ‘Pinóquio’ e mandou ele deixar o governo em paz e ir cuidar do processo de superfaturamento em dois conjuntos habitacionais de sua gestão.
09/08/2017 18h19 - Atualizado em 10/08/2017 10h41
Foto: Bruno Zanardo

O embate entre o governador interino, David Almeida (PSD), e o prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), continua a todo vapor. David rebateu em segundo round os ataques feitos pelo tucano nos últimos dias contra a sua gestão e mostrou provas de um balanço fiscal positivo do Estado após 90 dias de sua administração em coletiva de imprensa que aconteceu na tarde desta quarta-feira (9).

Sobre a visita do prefeito ao Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) no início da tarde desta terça-feira (8) para pedir um possível adiantamento de posse do futuro governador do Amazonas e sobre a carta de acusações postada no Facebook do tucano para o ministro, Ricardo Lewandowski, David também comentou. “Ele tinha que ir era lá na zona Leste tapar os buracos da cidade, ao invés de virar menino de recado e cabo eleitoral”, disse.

O interino foi questionado sobre o comentário de Arthur que disse que o Estado estava em situação fiscal difícil e que não conseguiria nem pagar o 13º (salário) dos funcionários públicos. “Está aqui nós acabamos de pegar um mentiroso que estava falando inverdades sobre a situação do Estado e o Pinóquio foi descoberto no dia de hoje com esses dados que eu apresentei”, rebateu David.

No estilo ‘bateu levou’, o governador também atacou a administração do tucano no executivo municipal. “Enquanto eu estou apresentando os números do Estado a prefeitura está sendo processada pelo Ministério Público pelo superfaturamento em dois conjuntos habitacionais na gestão do prefeito dorminhoco”, denunciou Almeida, que também disse que vai reagir a todas as críticas que vierem conta ele.

David foi fundo no ataque e disse que Arthur carrega apenas o título de prefeito mas a prefeitura é governada por terceiros. “Quem está sentado na cadeira de administrador do Estado é o governador interino na cadeira da prefeitura não está aquele que foi eleito. Quem manda na prefeitura não é o que foi legitimado e recebeu voto. Cheguem na prefeitura de manhã pra ver quem está sentado na cadeira”, afirmou.

Natan Gaia – Redação AM POST


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso Wp: (92) 99344-0505