Geddel é preso pela Polícia Federal após apreensão de dinheiro em apartamento

Na semana passada a Polícia Federal apreendeu pouco mais de 51 milhões de reais em espécie em um apartamento na capital baiana que seria usado por Geddel.
08/09/2017 09h32 - Atualizado em 8/09/2017 16h54
Foto: Reprodução

O ex-ministro Geddel Vieira Lima foi preso pela Polícia Federal nesta sexta-feira (08) em Salvador e será transferido para Brasília. Também foram cumpridos três mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao político, além de mais um mandado de prisão.

Na semana passada a Polícia Federal apreendeu pouco mais de 51 milhões de reais em espécie em um apartamento na capital baiana que seria usado por Geddel, ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo do presidente Michel Temer.

A prisão de Geddel aconteceu por temores de que ele pudesse fugir após a apreensão dos recursos que pertenceriam a ele.

Os recursos foram encontrados pela PF em malas e caixas na terceira fase da operação Cui Buono, que investiga o pagamento de propinas em troca de facilitação de empréstimos pela Caixa Econômica Federal. Foi a maior apreensão do tipo já realizada pela Polícia Federal.

Em nota, sem citar os nomes dos envolvidos, a Procuradoria da República no Distrito Federal informou que cumpriu dois mandados de prisão preventiva e três de busca e apreensão em Salvador como parte de uma nova fase da operação Cui Buono. A PF também confirmou a operação em nota sem citar o nome dos envolvidos.

“O objetivo é recolher provas da prática de crimes como corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Na petição enviada à Justiça, o Ministério Público Federal endossou os pedidos apresentados pela Polícia Federal, argumentando que as medidas são necessárias para evitar ‘a destruição de elementos de provas imprescindíveis à elucidação dos fatos’”, disse a PF na nota.

Aliado histórico de Temer e bastante próximo do presidente, Geddel foi preso em 3 de julho, acusado de tentar pressionar o doleiro Lúcio Funaro para evitar que ele fizesse uma delação premiada. O ex-ministro foi solto 10 dias depois para cumprir prisão domiciliar.

Geddel é acusado de intermediar a facilitação de crédito para empresas na Caixa quando era diretor de Pessoa Jurídica do banco, durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

Geddel, que é ainda ex-deputado federal, também foi ministro da Integração Nacional na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso