MPF diz que Cabral pode ter comprado voto para Rio sediar Olimpíada 2016

Segundo o MPF, a compra pode ter sido feita por organização criminosa comandada por Sérgio Cabral, preso em Bangu.
05/09/2017 15h34 - Atualizado em 6/09/2017 16h36
Foto: Reprodução

A cooperação internacional que resultou na Operação Unfair Play, deflagrada hoje (5) pela Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal (MPF) e a Receita Federal, investiga suposta compra do voto do presidente da Federação Internacional de Atletismo, Lamine Diack, por US$ 2 milhões, para que ele fosse favorável à escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. De acordo com o MPF, a compra pode ter sido feita por organização criminosa comandada pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, preso em Bangu.

Segundo o ministério, há “vasta documentação e provas robustas” para o caso. Foram emitidos pela 7ª Vara Federal no Rio de Janeiro mandados de prisão preventiva contra o empresário Arthur Soares, conhecido como “Rei Arhtur,” que mora nos Estados Unidos, e a sócia dele Eliane Pereira Cavalcante, presa pela manhã em Laranjeiras, na zona sul do Rio de Janeiro.

Também foi feita busca e apreensão na casa do presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, que também foi conduzido para ser ouvido na Polícia Federal. Os detalhes da operação estão sendo divulgados neste momento em entrevista coletiva na Superintendência da Polícia Federal, no Rio de Janeiro.

Agência Brasil


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso