Ministério Público denuncia 213 pessoas por envolvimento no massacre do Compaj

Os suspeitos fazem parte de uma facção criminosa, Família do Norte (FDN). Entre os denunciados, apenas a mulher de um preso permanece solta.
25/11/2017 10h39 - Atualizado em 28/11/2017 15h54
Foto: Reprodução

Agência Brasil

O Ministério Público (MP) do Amazonas denunciou 213 pessoas suspeitas de envolvimento no massacre de 1º de janeiro de 2017 no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj).

De acordo com o MP, os suspeitos fazem parte de uma facção criminosa, a Família do Norte (FDN). Os denunciados são acusados de homicídio triplamente qualificado, ou seja, por motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa das vítimas, além de tortura, desrespeito a cadáver e associação para o crime.

Entre os denunciados, apenas a mulher de um preso permanece solta. Ela é acusada de levar para dentro do presídio a ordem para cometer os crimes.

A rebelião de 1º de janeiro resultou na morte de 56 detentos e na fuga de 119.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso