STF toma decisões polêmicas às vésperas do Natal e se mostra conivente com corrupção

Em menos de 24 horas, investigados foram postos em liberdade, além de deliberar sobre a legalidade da condução coercitiva, medida utilizada na Operação Lava Jato.
19/12/2017 14h29 - Atualizado em 20/12/2017 15h56
Foto: Pensa Brasil

Às vésperas do Natal, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) tomou cinco decisões que geraram polêmicas. Em menos de 24 horas, o magistrado mandou libertar investigados, além de deliberar sobre a legalidade da condução coercitiva, medida utilizada na Operação Lava Jato.

Gilmar Mendes assumiu as posições dois dias antes do início do recesso no Supremo, que começa nesta quarta-feira (20). Após a parada de Natal até o Ano-Novo, o STF contará com férias coletivas entre 2 e 31 de janeiro. Com isso, as decisões monocráticas do ministro poderão ser analisadas pelo plenário só quando a Corte retomar suas atividades.

Decisões como: conceder liberdade empresário Marco Antônio de Luca, detido desde junho por suspeita de pagar propina ao ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB) em troca de contratos com o Estado; suspensão de inquérito contra o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), que responde por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral; dar direito de prisão domiciliar a advogada Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB).


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso