CNDH vem a Manaus nesta segunda-feira (22) para ver situação de venezuelanos

A visita faz parte da missão que o CNDH está realizando nos estados do Pará, Amazonas e Roraima.
20/01/2018 15h03 - Atualizado em 22/01/2018 17h20
Fonte: Reprodução

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) estará em Manaus, na próxima segunda-feira (22), para verificar a situação dos direitos humanos dos imigrantes venezuelanos que têm ingressado no território brasileiro solicitando refúgio e residência em decorrência da crise estabelecida na Venezuela.

A visita faz parte da missão que o CNDH está realizando nos estados do Pará, Amazonas e Roraima, de 18 a 26 de janeiro (na foto, alguns venezuelanos na Rodoviária de Manaus antes de serem abrigados pelo poder público).

A programação local inicia às 8h30, em reunião com a sociedade civil, que será realizada na sede da Cáritas, na avenida Joaquim Nabuco, 1035, Centro.

A missão inclui visitas aos abrigos onde os imigrantes estão alojados e reuniões com autoridades locais de órgãos do poder público que têm responsabilidade no assunto – como Polícia Federal e titulares de prefeituras e governos estaduais.

O Ministério Público Federal (MPF) participará da missão, com a presença dos procuradores da República Fernando Merloto Soave, que atua na temática povos indígenas e comunidades tradicionais, e Michèle Diz Y Gil Corbi, da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, e do conselheiro João Akira Omoto, representante do MPF no CNDH.

A situação dos imigrantes venezuelanos em Manaus tem sido acompanhada pelo MPF no Amazonas, por meio inquérito civil público instaurado em março de 2017.

A missão será composta por integrantes do CNDH e representantes de organizações convidadas com o objetivo de verificar a situação vivenciada por esses imigrantes em busca de soluções para as violações de direitos identificadas.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso