Omar Aziz pede que governo federal reduza valor do gás de cozinha e da gasolina

O parlamentar voltou a questionar os valores praticados pela Petrobras, que é uma empresa pública e não pode só pensar no lucro em benefício dos acionistas.
30/05/2018 14h31 - Atualizado em 31/05/2018 15h57
Foto: Reprodução

O senador Omar Aziz assinou nesta terça-feira, 29, um pedido para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para abrir a caixa-preta da Petrobras, durante a audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). No encontro, os senadores discutiram sobre o equívoco na política de reajustes de preços dos combustíveis da Petrobras, que ignorou a incapacidade da sociedade brasileira de pagar um insumo dolarizado e resultou na crise dos últimos dias. A audiência teve participação do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.

“Assinei a CPI para que, em 30 dias, nós possamos dar um panorama para a sociedade brasileira dessa caixa-preta que é a Petrobras. O Pedro Parente simplesmente adotou uma política de preços que não beneficia o povo brasileiro, até porque ninguém tem salário dolarizado, pessoas ganham em real e têm que comprar gasolina, gás e diesel em dólar. Isso não é uma política de preço saudável para a nação”, disse Omar.

O senador voltou a questionar os valores praticados pela Petrobras, que é uma empresa pública e não pode só pensar no lucro em benefício dos acionistas internacionais e contra a população brasileira, verdadeira dona da estatal. Omar criticou a o presidente da Petrobras, Pedro Parente, que não aplicou uma política que viesse a melhorar o valor dos insumos produzidos pela estatal.

“O Pedro Parente pegou uma Petrobras doente, como todos sabemos, mas não aplicou uma dose homeopática para tirar a empresa da falência. Ele veio como uma quimioterapia, e que agora está dando a sequela no povo brasileiro. Esse problema está entrando na casa dos brasileiros e ele não resolveu nada. Quando é que vamos discutir o gás de cozinha e a gasolina? O diesel já foi reduzido e não podemos esperar o povo ir às ruas para que a gente possa rever isso”, finalizou Omar.

O ministro destacou que grande parte do preço dos combustíveis, incluindo o gás de cozinha e a gasolina, é impactado pelo Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), um imposto estadual. Na gasolina, chega a 30%. Segundo Guardia, os estados foram “sócios” da elevação dos preços, já que arrecadaram mais impostos, e que precisam ser incluídos no debate para a redução dos custos.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso