Promotor é retirado de processo de denuncia contra Adail Filho e diz que vai recorrer da decisão

Juiz justificou sua decisão na existência de ‘desiquilíbrio’ e a ‘inimizade capital’ entre promotor e prefeito Adail Filho.
04/07/2018 15h00 - Atualizado em 5/07/2018 16h49
Foto: Reprodução

Redação AM POST

O promotor de Justiça, Weslei Machado, foi afastado nesta terça-feira (03) do processo contra o prefeito de Coari (a 370 quilômetros de Manaus) Adail Filho, que é acusado de coagir e comprar testemunhas no caso de pedofilia envolvendo o seu pai e ex-prefeito Adail Pinheiro.

A decisão foi tomada pelo juiz de direito, Fábio Lopes Alfaia, da 1ª Vara da Comarca de Coari que julgou o promotor suspeito para atuar no caso.‘Declaro a suspeição do promotor de Justiça Weslei Machado, devendo-se proceder a sua substituição neste feito”, sentencia o magistrado.

O juiz justificou sua decisão na existência de ‘desiquilíbrio’ e a ‘inimizade capital’ entre promotor e prefeito Adail Filho. Este mês, o prefeito acusou o promotor de integrar um esquema criminoso para afastá-lo do cargo.

Segundo Weslei Machado não há qualquer razão para sua suspeição e o Ministério Público vai tentar nos próximos dias para reverter a decisão do juiz com um mandado de segurança no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM). “Na verdade, não conheço o prefeito e não tenho nenhum interesse político nas minhas atuações” disse.

Adailzinho teve o afastamento condicional determinado, na segunda-feira (2), pelo juiz de direito da 2ª Vara da Comarca do município, André Luiz Muquy. Conforme o despacho, Adail tem 20 dias para evitar o afastamento, se entregar, dentro do prazo, todos os documentos que foram solicitados pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM) para a abertura de ações extrajudiciais contra a administração municipal.


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso