Noivo que forjou sequestro para fugir de casamento deu ‘prejuízos incalculáveis’, diz delegado

Polícia apurou que a noiva pagava estadias e viagens para organizar cerimônia que não aconteceu.
22/09/2018 16h37 - Atualizado em 22/09/2018 16h37
Foto: Reprodução

O delegado que investiga um advogado suspeito de forjar o próprio sequestro para fugir do casamento afirma que ele deu “prejuízos incalculáveis” à noiva e à família dela.

A vítima, uma mulher de 44 anos que não teve a identidade divulgada, registrou um boletim de ocorrência em São José do Rio Preto (SP) alegando que o noivo, Marcelo Henrique Morato Castilho, de 34 anos, havia sido sequestrado um dia antes do casamento. Mas, durante a investigação, a polícia descobriu que o sequestro tinha sido forjado pelo próprio noivo, que está foragido.

Segundo o delegado José Luiz Barboza Júnior, o casal se conhecia desde a adolescência, mas só começou a se relacionar há cerca de um mês e meio. Nesse pouco tempo os dois ficaram noivos e começaram a planejar o casamento.

“A noiva teve prejuízos incalculáveis, porque gastou com estadias e viagens de avião para Brasília, onde seria feito o casamento. Além disso havia muitos detalhes, como floricultura, buffet, decoração, a catedral escolhida para a cerimônia e até o transporte dos familiares a Brasília.”

A vítima relatou à polícia que o noivo exigia requinte e sofisticação na cerimônia. “Ele solicitava coisas requintadas, de altíssimo valor, que eram bancadas pela família da própria vítima.”

Relação tranquila
O delegado afirma que a noiva nunca desconfiou que pudesse ser vítima de um golpe. Os dois tentaram até comprar uma casa juntos.

O suspeito ainda dizia conhecer pessoas importantes e demonstrava alto padrão de requinte para passar credibilidade.

“Ele se intitulava uma autoridade com vasto conhecimento na cúpula do país, mas pelas investigações, não passava de uma tentativa para enganar a vítima”, diz José Luiz.

Segundo a polícia, há pelo menos mais um caso de estelionato semelhante na cidade atribuído também a Marcelo. O caso que teria acontecido em 2016, terminou de forma igual: com o casamento cancelado.

“No primeiro caso ele teria um problema de saúde e consequentemente houve uma transferência de cidade no momento do casamento, mas não falo do primeiro caso porque ele está sob segredo de Justiça”, explica o delegado.

A polícia não tem pistas sobre o paradeiro de Marcelo. A reportagem não conseguiu entrar em contato com ele.

Fonte: G1


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso