Mais de 1 milhão de brasileiros aderem a abaixo-assinado contra aumento de salários do STF em menos de 24 horas

Partido Novo criou uma petição online para tentar pressionar o presidente Michel Temer a vetar o aumento aprovado pelo Senado.
08/11/2018 16h26 - Atualizado em 9/11/2018 12h46
Foto: Divulgação

Logo após o Senado aprovar o reajuste de 16% dos salários dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), o partido Novo criou um abaixo-assinado online para pressionar o presidente Michel Temer a vetar este aumento. Em menos de um dia de sua criação, a petição já chegou a 1,2 milhão de assinaturas. A remuneração dos magistrados, com este reajuste, passa de atuais R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

O Novo diz que este aumento de salário é reflexo da “velha política” e que o momento agora é de “responsabilidade fiscal”. Além disso, a sigla pede para que as pessoas usem a hashtag #AumentoNão em todas as redes sociais.

O partido diz ainda que “o plano dos parlamentares é aumentar o salário dos ministros do STF para ampliar o teto constitucional, assim conseguem aumentar os próprios salários e os de outras funções públicas”.

“Isso causa um efeito cascata e retroativo que o Brasil não suporta mais, com graves consequências posteriores para estados e municípios, muitos já em situação de calamidade financeira”, diz o Novo.

Além do claro problema fiscal enfrentado pelo país, a conta a pagar da aprovação do projeto ainda durante o governo Temer chegará na gestão de Bolsonaro – que pouco pode fazer para evitar o encaminhamento da proposta, mas que já sinalizou não gostar da pauta.

“Obviamente não é o momento [para esse aumento de despesa]”, disse o presidente eleito. O reajuste agora vai para sanção presidencial e Temer tem poder de veto sobre a proposta.

Fonte: InfoMoney


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Contato Termos de uso