Propina recebida por Pezão pagaria os salários de mais de 22 mil servidores estaduais

Todos com vencimentos que variam entre R$ 800 e R$ 1.600, considerados os mais baixos do funcionalismo estadual.
29/11/2018 15h35 - Atualizado em 30/11/2018 10h28

Foto: Reprodução


O valor total atualizado recebido pelo governador Luiz Fernando Pezão como forma de propina, como sustenta a acusação do Ministério Público Federal (MPF) que levou à sua prisão, bancaria os salários de mais de 22 mil servidores estaduais. Segundo a acusação, foram pagos a Pezão R$ 39.105.292,42, entre 2007 e 2015. O valor seria suficiente para bancar os salários de 22.614 funcionários públicos ativos do Executivo por um mês, todos com vencimentos que variam entre R$ 800 e R$ 1.600, considerados os mais baixos do funcionalismo estadual.

A lista com os vencimentos foi obtida pelo EXTRA por meio da lei de acesso à informação e diz respeito a folha referente ao mês de junho de 2018 soma R$ 39.105.016,51. O levantamento já exclui o pagamento de mais de uma matrícula, contando somente um servidor beneficiado.

As matrículas estão vinculadas, em sua maioria, à Secretaria estadual de Educação. Também seriam beneficiados com os valores desviados por Pezão funcionários da Faetec e da Secretaria de Saúde, que cobram a aplicação de um novo plano de carreiras e salários há mais de uma década.

A partir de dezembro de 2015, ano em que Pezão ainda teria recebido propina, os servidores começaram a sentir os efeitos da crise com os atrasos de salários. Em 2016 e 2017, os funcionários públicos sofreram com vários meses sem vencimentos, sem contar a dívida acumulada sobre o 13º salário, que só foi encerrada em abril de 2018.

No fim do ano passado, muitos tiveram que recorrer à distribuição de cestas básicas feita pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe). Sem dinheiro para a ceia e para as despesas básicas, os trabalhadores atrasaram contas e pegaram mais empréstimos até com parentes e amigos.

Prisão do governador

Pezão foi preso na manhã desta quinta-feira, dia 29, acusado de receber propina, em mais uma operação decorrente dos desdobramentos da operação Lava Jato. A ordem foi dada pelo ministro e relator do caso Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), atendendo ao pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Valores mais baixos

O valor inicial de R$ 800 como salário pago a alguns profissionais — abaixo do salário mínimo nacional de R$ 954 — diz respeito a matrículas vinculadas da Secretaria estadual de Educação, que estão previstas no plano de carreira da categoria. Somadas matrículas, os servidores podem receber mais.

Fonte: Jornal Extra

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso