Venezuela receberá ajuda humanitária das Nações Unidas

Fundo da ONU liberou US$ 9,2 milhões para programas com foco na nutrição de crianças e de mulheres.
26/11/2018 17h08 - Atualizado em 26/11/2018 17h08

Foto: Spencer Platt/Getty Images


A Organização das Nações Unidas liberou US$ 9,2 milhões (R$ 36 milhões) em ajuda humanitária para a Venezuela, a primeira alocação do tipo para mitigar a crise no país latino-americano.
O acordo da ONU com a Venezuela para a ajuda humanitária marca uma mudança da posição do governo do ditador Nicolás Maduro, que vinha recusando ajuda internacional e negando que haja crise, apesar da situação de hiperinflação, falta de produtos básicos e insegurança alimentar.

Em setembro, na Assembleia-Geral da ONU em Nova York, Maduro disse que a crise humanitária no país era uma invenção  para justificar uma intervenção dos EUA no país. A ONU calcula que 1,9 milhão de pessoas deixaram a Venezuela  desde 2015. O regime de Maduro considera que as cifras são um terço
disso.

O dinheiro será usado para programas de assistência nutricional. Segundo o Fundo de Resposta Emergencial Central (Cerf, na sigla em inglês) da ONU, o foco será ajudar crianças de até cinco anos, grávidas e lactantes e venezuelanos vulneráveis em comunidades de fronteira. Procurado pela agência Reuters, o Ministério de Informação da Venezuela não comentou sobre a liberação de verbas para ajuda humanitária pela ONU.

Parte das verbas vai para ajudar venezuelanos nos estados de Apure, Táchira e Zulia, na fronteira com a Colômbia, país que mais recebeu venezuelanos desde o início da crise —cerca de 1 milhão, segundo estimativas.

Quase 70% das crianças venezuelanas de até cinco anos estão desnutridas, sendo 15% delas em um quadro agudo, segundo dados de quatro Estados do país obtidos pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos e divulgados em fevereiro.

Em um relatório de mais de 200 páginas, a comissão destacou que a situação da Venezuela é alarmante e gravíssima. Segundo os dados, quase 80% dos venezuelanos afirmaram ter perdido peso involuntariamente em 2016: 8,7 kg em média, segundo uma pesquisa conduzida por universidades do país.

A escassez de alimentos e de remédios tem levado a população a fugir, em um dos maiores êxodos da história da América Latina. Cerca de 5.000 pessoas deixam a Venezuela por dia atualmente, segundo estimativas do Alto
Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur).

Só a Colômbia recebeu mais de 900 mil imigrantes  fugindo da crise econômica e política no país vizinho. No Peru, foram mais de 400 mil. Equador, Chile e Argentina também estão entre os destinos, assim como Estados Unidos.

No Brasil, foram mais de 100 mil venezuelanos nos últimos três anos, e somente Roraima totalizou 75.500 solicitações de regularização desde 2015. A sobrecarga de cidades como Boa Vista e Pacaraima, na fronteira entre os dois países, tem levado a confrontos entre a população local e os imigrantes.

Fonte: Folha de São Paulo

*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso