Empresa afasta médico que agrediu adolescente em trabalho de parto

Armando Andrade ainda pode atuar em hospitais particulares, uma vez que o conselho regional de medicina do Amazonas (Cremam) ainda não o puniu, apesar de prisão por corrupção passiva.
21/02/2019 12h38 - Atualizado em 21/02/2019 15h51

Redação AM POST

O médico obstetra Armando Andrade Araújo flagrado em um vídeo agredindo uma adolescente em trabalho de parto na maternidade administrada pelo governo do estado, Balbina Mestrinho, na Praça 14, foi afastado pela direção do Instituto de Ginecologia e Obstetrícia do Amazonas (Igoam).

O Igoam decidiu pela imediata suspensão de Armando mais de 24h após o vídeo da agressão circular nas redes sociais. Mesmo suspenso pelo instituto, o médico ainda pode atuar em hospitais particulares. Porque o conselho regional de medicina do Amazonas (Cremam) ainda não o puniu, apesar de prisão por corrupção passiva.

De acordo com nota do Instituto, o comportamento do profissional flagrada no vídeo foi um “caso isolado, de caráter individual e não reflete o trabalho coletivo realizado pelos demais sócios da empresa”.

A empresa ainda informa que afastou após prisão o médico em 2015 em cumprimento a determinação judicial. Armando Andrade foi preso por cobrar por partos.

Leia a nota na íntegra:

NOTA OFICIAL DO IGOAM
O Instituto de Ginecologia e Obstetrícia do Amazonas (Igoam) rearma o seu compromisso com os serviços prestados à sociedade e enfatiza que o fato ocorrido no atendimento à parturiente, na gravação realizada na maternidade Balbina Mestrinho, há nove meses, que circula nas redes sociais e imprensa, divulgada na terça-feira (19.02.19) é um caso isolado, de caráter individual e não reflete o trabalho coletivo realizado pelos demais sócios da empresa.

Em caráter emergencial a Diretoria Executiva e a Comissão Disciplinar do Igoam estiveram reunidas na noite de quarta-feira (20.02.19), em cumprimento ao Regimento Interno e Contrato Social da empresa, ambos norteadores jurídicos da sociedade, para apurar as denúncias e deliberou pela imediata suspensão dos plantões e atividades realizadas pelo sócio Armando Andrade Araújo instaurando respectivo processo disciplinar para averiguação do caso.

Cabe informar que no episódio relacionado a prisão do médico pela Polícia Civil do Amazonas, na Operação Jaleco, em 26.02.15, o Dr. Armando Araújo foi afastado imediatamente e só foi reconduzido ao exercício dos plantões médicos em cumprimento a determinação judicial, assinada pela juíza Ida Maria Costa de Andrade, ao deferimento do pedido liminar do mesmo, mediante processo número 0619570- 10.2015.8.04.0001.

Na qualidade de prestadora de serviços, contratada pela Secretaria de Estado da Saúde (Susam), a empresa está a disposição para quaisquer esclarecimentos e o total cumprimento da justiça.

Manaus, 20 de fevereiro de 2019


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso