Wilson Lima fala sobre suspensão da Banda da Bica em Manaus

A banda, cuja letra ironiza, este ano, o governador e o grupo de comunicação que lhe deu visibilidade, foi suspensa na tarde de ontem (14).
15/02/2019 16h09 - Atualizado em 16/02/2019 17h36

Foto: Divulgação


Depois de receber uma enxurrada de críticas nas redes sociais com a notícia de que seu governo suspendeu a Banda da Bica, Wilson Lima (PSC) prometeu manter o evento, que acontece no dia 23 de fevereiro, mas pediu “responsabilidade e segurança”. A reação do governador veio por meio de um vídeo postado em sua conta no Instagram, na madrugada desta sexta-feira (15).

A banda, cuja letra ironiza, este ano, Lima e o grupo de comunicação que lhe deu visibilidade, foi suspensa na tarde de ontem (14), após a Central Integrada de Fiscalização (CIF), vinculada à Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), interditar o local que sedia o evento, o tradicional Bar do Armando, no Centro de Manaus, em frente ao Largo de São Sebastião.

O fechamento do bar foi registrado no Auto de Interdição 1210/2019, que a reportagem teve acesso, tendo como base o Artigo 137, Inciso XI, da Lei 605/2001, que trata de Licenciamento Ambiental para obras.

Agentes da SSP alegaram que o bar está realizando ampliações físicas, sem autorização. Na lei citada no documento, consta que é proibido “instalar, operar ou ampliar obras ou atividades de baixo potencial poluidor ou degradador, sem licenciamento ambiental ou em descumprimento de condicionantes e prazos ou em desacordo com legislação e normas vigentes.”

Mais infrações
Além fechar o Bar do Armando por falta de Licença Ambiental, a Central de Fiscalização da SSP expediu um auto de infração contra o estabelecimento por “contrariar o Código Sanitário de Manaus (Lei 392/1997) com irregularidades na manipulação, preparo e armazenamento de alimentos…”

A Secretaria de Segurança Pública notificou ainda o bar por falta do documento de Auto de Conformidade de Processo Simplificado (ACPS) do Corpo de Bombeiros, um termo que garante a regularização do local.

Intimidação e confusão
No vídeo postado por Wilson Lima, é possível avaliar que houve uma grande confusão nas sanções aplicadas à sede da Banda da Bica na quinta-feira e a forma pela qual a operação foi conduzida. Durante a inspeção ao estabelecimento, policiais fortemente armados fizeram “escolta” para os agentes da SSP.

Apesar da equipe do governo ter registrado várias irregularidades no bar, Wilson Lima disse que pediu ao secretário de Segurança Pública, coronel Louismar Bonates, para retornar o evento do “Esquenta da Banda”, no mesmo dia.

“Olá meus amigos, estou aqui para falar da situação que aconteceu agora à noite na Banda da Bica. Eu acabei recebendo diversas ligações de pessoas querendo saber por que eu queria que a banda parasse e isso não aconteceu. Pelo contrário, pedi para o meu secretário de Segurança, coronel Bonates, fosse pessoalmente ao Largo de São Sebastião e a banda voltou a tocar”, afirmou o governador, no vídeo.

Em seguida, ele faz uma rápida advertência sobre as infrações apontadas pela equipe da SSP, mas não entra em detalhes. “O que eu defendo é que a gente tem que brincar com responsabilidade e também com segurança”, conclui.
Ao final, Wilson Lima afirma que no que depender do governo ou dele, o evento vai acontecer e garante que estará no dia da banda, onde, segundo ele, é o “principal homenageado.”

“Eu quero aqui afirmar que o que depender do Wilson Lima, que o que depender do governo do Estado, a banda vai sim se apresentar no dia que ela estava prevista para que isso acontecesse. E a propósito, já estou aqui confirmando minha presença na Banda da Bica até porque eu sou o principal homenageado. Bom Carnaval para todo mundo e boa noite.”

Tradicional
Em 33 anos de Banda da Bica, nunca o evento foi suspenso por alguma irregularidade seja na banda seja no local em que ela está sediada, o Bar do Armando. Este ano, o tema da Bica é “Jacaretinga do Grão-Pará, Todo Mundo Leso de Mãos Dadas Pra Mamar.”

A frase faz referência ao slogan da Rede Calderaro de Comunicação. “De mãos dadas com o povo”, grupo empresarial que deu visibilidade a Wilson Lima, e contribuiu decisivamente para a sua eleição ao governo.

No enredo da marchinha, há também trechos conotativos que remetem à naturalidade de Lima, que é paraense, entre outras ironias a políticos, que são normais nos enredos da banda desde quando ela foi fundada, em 1986.

Fonte: Agência AM1


*** Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o AM POST.


Facebook

Economia

Contato Termos de uso